Economia

Dívida pública chega a 78,3% do PIB em sexto mês seguido de queda

Aumento do PIB e resgate da dívida contribuíram para nova queda no indicador

 (RafaPress/Getty Images)

(RafaPress/Getty Images)

AO

Agência O Globo

Publicado em 31 de maio de 2022 às 11h49.

A dívida pública completou o sexto mês seguido em queda ao chegar em 78,3% do PIB em abril deste ano. A estatística foi divulgada pelo Banco Central (BC) nesta terça-feira.

De acordo com o BC, o principal fator para a nova queda no indicador foi o crescimento do PIB nominal e o resgate da dívida. Pelo outro lado, os juros e a desvalorização cambial diminuíram a magnitude da queda.

Como o PIB é denominador da relação com a dívida, quando ele aumenta o resultado é a queda do indicador. Já a alta dos juros básicos impacta o indicador pela outra direção.

Taxa de desemprego fica em 10,5% no trimestre até abril
O indicador está em trajetória de queda desde fevereiro do ano passado, quando atingiu o pico histórico de 89% do PIB, impulsionado por gastos decorrentes do enfrentamento à pandemia.

Desde então, com a diminuição das despesas e vacinação, além de alta na arrecadação e da atividade econômica, a relação dívida/PIB começou a cair.

Em queda: Em março, a dívida/PIB retomava pela primeira vez o patamar de abril de 2020, do início da pandemia

Na avaliação da Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão ligado ao Senado, a dívida pública deve continuar abaixo de 80% do PIB durante este ano. A expectativa do mês passado era de 84,8%, mas foi revisada para 78,9% do PIB ao final de 2022.

“A revisão foi motivada pela expectativa de maior superávit primário do setor público no ano, em razão do desempenho positivo da arrecadação dos entes federados, especialmente dos governos regionais. O superávit, no entanto, deverá cair até 2025, fazendo com que a dívida bruta tenha ligeira alta”, aponta o relatório da instituição.

Zona do euro registra inflação anual recorde de 8,1%

Simone Pasianotto, economista-chefe da Reag Investimentos, vê uma tendência de continuidade nesse patamar nos próximos meses. A projeção é que a dívida termine 2022 em 80,7% e suba no ano seguinte.

Ainda segundo a economista, a queda do indicador no ano está atrelada à recuperação da atividade econômica, mostrada pelos dados do mercado de trabalho, com o desemprego recuando.

— Efetivamente o que gente tem é uma retomada da atividade, mesmo que de forma tímida, no qual a gente um resultado da Pnad que mostra que a economia está começando a respirar e reagir e isso retrata o resultado da política fiscal — apontou.

O indicador é acompanhado de perto pelo mercado porque mede a capacidade do país de pagar suas dívidas. O número engloba o resultado do governo federal, o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) e os governos estaduais e municipais.

Novo superávit

Assim como em março, abril também registrou superávit no setor público consolidado, que inclui o governo central, os governos regionais e estatais. O saldo positivo foi de R$ 38,9 bilhões, contra R$ 24,3 bilhões no mesmo mês de 2021.

Esse número é o maior para meses de abril da série histórica do Banco Central, iniciada em dezembro de 2021. O último recorde havia sido ano passado.

O BC aponta que o número é resultado de superávits no governo central, de R$ 29,6 bilhões, e nos regionais, de R$ 10,3 bilhões, além de um déficit de R$ 1 bilhão nas estatais em abril.

Nos doze meses encerrados em abril, o superávit chegou a R$ 137,4 bilhões, ou 1,52% do PIB.

Acompanhe tudo sobre:Dívida pública

Mais de Economia

Brasil exporta 31 mil toneladas de biscoitos no 1º semestre de 2024

Corte anunciado por Haddad é suficiente para cumprir meta fiscal? Economistas avaliam

Qual é a diferença entre bloqueio e contingenciamento de recursos do Orçamento? Entenda

Haddad anuncia corte de R$ 15 bilhões no Orçamento de 2024 para cumprir arcabouço e meta fiscal

Mais na Exame