Zona do euro registra inflação anual recorde de 8,1%

Índice em maio atingiu o maior resultado desde o início da série histórica, em 1979
A inflação da Eurozona iniciou em novembro do ano passado uma forte tendência de alta (Eric Gaillard/Reuters)
A inflação da Eurozona iniciou em novembro do ano passado uma forte tendência de alta (Eric Gaillard/Reuters)
Por AFPPublicado em 31/05/2022 07:20 | Última atualização em 31/05/2022 07:20Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A inflação na zona do euro mantém a trajetória de alta e bateu um novo recorde em maio, com uma taxa de 8,1% em ritmo anual, estimulada pelo impacto da guerra na Ucrânia sobre os preços da energia e dos alimentos.

De acordo com a agência europeia de estatísticas Eurostat, a inflação na Eurozona (os 19 países da União Europeia que adotaram a moeda comum) atingiu o maior resultado desde o início da série histórica, em 1979.

Em abril, a Eurostat calculou uma taxa de 7,4% (originalmente havia projetado 7,5%, mas uma revisão reajustou o índice com uma leve baixa de 0,1 ponto percentual).

A inflação da Eurozona iniciou em novembro do ano passado uma forte tendência de alta, devido ao aumento dos preços da energia, e a partir de então a cada mês estabeleceu um novo recorde da série histórica.

No fim de fevereiro, no entanto, o início do conflito militar na Ucrânia agravou dramaticamente a tendência, por seu impacto sobre os preços da energia e os efeitos sobre o mercado mundial de alimentos.

Ao considerar os componentes da inflação em maio, a Eurostat aponta que os preços da energia representaram em maio uma alta de 39,2%, acima dos 37,5% registrados em abril.

Da mesma forma, os preços dos alimentos (em um conjunto estatístico que engloba alimentos, bebidas e tabaco) subiram 7,5%, contra 6,3% de abril.

Entre as principais economias da UE, a Espanha registrou uma inflação de 8,5% em ritmo anual, depois do índice de de 8,3% em abril

Além disso, a União Europeia adotou vários pacotes de sanções econômicas contra a Rússia pela guerra na Ucrânia. E analistas concordam que as medidas restritivas também terão efeito interno na economia do bloco.

O impacto econômico do conflito na Ucrânia é de tal magnitude que a Comissão Europeia reduziu drasticamente sua previsão de crescimento do PIB em 2022, de uma expectativa inicial de 4,0% para 2,7%, assim como elevou a projeção de taxa anual de inflação a 6,1%.

A Comissão afirma que o "principal golpe" ao desempenho econômico "procede dos preços das matérias-primas energéticas".

As matérias-primas já registravam forte alta desde o último trimestre do ano passado, mas "a incerteza sobre as cadeias de abastecimento pressionaram os preços, ao mesmo tempo que aumentam sua volatilidade".