Economia

Desenrola para empresas e crédito para MEIs e CadÚnico: veja os detalhes do programa Acredita

Segundo o governo, o programa visa reestruturar parte do mercado de crédito no Brasil. Lula assina MP que institui o Acredita nesta manhã

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 22 de abril de 2024 às 11h01.

Última atualização em 22 de abril de 2024 às 13h07.

Tudo sobreCrédito
Saiba mais

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lançoiu nesta segunda-feira, 22, o programa Acredita, que vista ampliar o acesso ao crédito para Microempreendedores Individuais (MEIs), micro e pequenas empresas, e beneficiários do Bolsa Família. A medida provisória que cria o programa foi assinada por Lula em evento no Palácio do Planalto nesta manhã.

Segundo o governo, o programa visa reestruturar parte do mercado de crédito no Brasil e deve começar a partir de julho. O Acredita está baseado em quatros eixos:

  • Acredita no Primeiro Passo: é um programa de microcrédito para inscritos no CadÚnico.
  • Acredita no seu negócio: é voltado às empresas, por meio do Desenrola Pequenos Negócios e Procred 360
  • Acredita no crédito imobiliário: criação do mercado secundário para crédito imobiliário.
  • Eco Invest Brasil - Proteção Cambial para Investimentos Verdes (PTE), que tem como objetivo incentivar investimentos estrangeiros em projetos sustentáveis no Brasil.

Durante a cerimônia de lançamento do programa, Lula disse que a medida visa ajudar os pequenos comerciantes que se endividaram durante a pandemia de covid-19. O presidente afirmou ainda que o acesso ao crédito é imprescindível para uma sociedade se desenvolver.

"O que estamos é criando as condições para que independe da quantidade, da origem social e do tamanho do negócio, a pessoa tenha direito de ter acesso ao sistema financeiro e crédito", afirmou o petista.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que todas as medidas que fazem parte do Acredita serão publicadas na terça-feira, 23, no Diário Oficial da União (DOU), mas ainda passarão por "fase de maturação" diferentes. 

"Essas medidas amplas, cada uma tem uma fase de maturação, mas todas elas vão se desenvolver a partir de hoje e vão sendo entregues à medida que forem ficando prontas, do mais simples, que estará a rua amanhã, até o mais sofisticado, que vai levar um tempo de maturação, como foi o Desenrola", afirmou o ministro, durante a cerimônia.

Programa de crédito para beneficiários do Bolsa Família

O primeiro eixo do programa promete microcrédito para famílias de baixa renda inscritas no CadÚnico, informais e pequenos produtores rurais que participam do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e do programa de Fomento Rural. 

O programa vai funcionar como um sistema de garantia de crédito, atráves do Fundo de Garantia de Operações (FGO) do Desenrola Brasil e terá uma fonte de R$ 500 milhões em recursos para investimentos em 2024. As condições de taxa de juros e prazo de pagamento ainda serão divulgadas pelo governo.

Segundo o ministério da Fazenda, o programa pretende realizar, até 2026, cerca de 1,25 milhão de transações de microcrédito, com cada operação avaliada em torno de R$ 6 mil. A ideia é que R$ 7,5 bilhões sejam injetados na economia até 2026.

O Planalto afirma que entre janeiro de 2018 e unho de 2022m apenas um milhão de famílias inscritas no Cadastro Único tiveram acesso ao microcrédito produtivo. Neste período, foram feitas 5,6 milhões de operações que totalizaram R$ 32,5 bilhões em transações, com valor médio de R$ 5,74 mil. A taxa de inadimplência entre as pessoas do CadÚnico anual é inferior a 1,7%. Hoje, o cerca de 95 milhões estão no Cadastro Único do governo.

Desenrola para pequenas empresas

O Desenrola Pequenos Negócios tem como público-alvo os MEIs, as microempresas e as pequenas empresas com faturamento bruto anual até R$ 4,8 milhões e que estão inadimplentes em dívidas bancárias. Hoje, o Brasil tem cerca de 15 milhões de microempreendedores individuais.

Os detalhes das condições de renegociações serão divulgados posteriormente pelo governo. A União afirma que a medida não gera nenhum gasto para o governo em 2024.

Nos próximos anos, o custo estimado em renúncia fiscal é muito baixo, da ordem de R$ 18 milhões em 2025, apenas R$ 3 milhões em 2026, e sem nenhum custo para governo em 2027.

Crédito para MEIs e microempresas

O governo cria o Procred 360, uma política de estímulo ao crédito para MEIs e microempresas, com faturamento até R$ 360 mil ao ano. 

O programa vai oferecer empréstimo com taxa de juros a Selic + 5% ao ano, uma taxa menor que a do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe).

A ideia é que o Procred 360 aumente a garantia para até 60% do valor do empréstimo, facilite o pagamento de juros no início e ofereça juros menores do que os usualmente cobrados. A expectativa é aumentar o apetite dos bancos para essas operações e garantir que este público consiga ser atendido.

As empresas que tiverem o Selo Mulher Emprega Mais, e as que tiverem sócias majoritárias ou sócias administradoras poderão pegar empréstimos maiores, de até 50% do faturamento anual do ano anterior. Em 2023, mais de 488 mil operações foram contratadas por meio do Pronampe.

O volume negociado nessas operações foi de R$ 33,8 bilhões e desse total apenas R$ 262 milhões foram destinados a MEIs e outros R$ 8,68 bilhões voltaram-se às microempresas.

Além do Procred 360, o Acredita expandirá as linhas de crédito do Sebrae por meio do Fundo de Aval para a Micro e Pequena Empresa (FAMPE). Segundo o governo, a previsão é viabilizar mais R$ 30 bilhões em crédito. 

Para isso, o Sebrae capitalizou o fundo, que alcançou um patrimônio líquido de R$ 2 bilhões para serem alavancados para novas operações. A estratégia é ampliar a quantidade de instituições operadoras, sendo os quatro bancos públicos federais, os principais sistemas cooperativistas, as agências e bancos de desenvolvimento regionais e, através do BNDES, os bancos privados.

As taxas de juros praticadas pelas instituições financeiras operadoras do FAMPE nos convênios vigentes variam de acordo com a política de crédito da instituição financeira, da região e do porte do cliente.

Estímulo ao crédito imobiliário

O governo prevê ainda a criação de um mercado secundário de crédito imobiliário mais robusto para potencializar esse setor no Brasil. Para isso, a gestão petista vai expandir a atuação da estatal Emgea (Empresa Gestora de Ativos). A empresa vai dispor de valores bilionários para comprar carteiras de financiamento imobiliário dos bancos.

A ideia é que a atuação permita que os bancos aumentem as concessões de crédito imobiliário em taxas acessíveis para a classe média, suprindo a queda da captação da poupança. Segundo o governo, ao permitir a securitização, os bancos abrem espaço em seus balanços para liberar novos financiamentos imobiliários.

Para justificar a medida, o Planalto defende que o Brasil apresenta uma baixa oferta de crédito imobiliário, cerca de 10% do Produto Interno Bruto (PIB). Em países de renda média a oferta gira entre 26% e 30% do PIB.

Eco Invest Brasil

A última iniciativa do governo dentro do programa Acredita é o Eco Invest Brasil. Esse instrumento visa incentivar investimentos estrangeiros em projetos sustentáveis no país e oferecer soluções de proteção cambial.

A ideia é garantir proteção de longo prazo em moeda estrangeira no país, com linhas de crédito a custo competitivo para financiar parcialmente projetos de investimentos alinhados à transformação ecológica que se utilizem de recursos estrangeiros.

O Planalto afirma que o programa não vai interferir no mercado de câmbio, mas trabalhar para alavancar os recursos já disponíveis no país.

O público-alvo da proposta são investidores estrangeiros, as empresas de projetos sustentáveis, o mercado financeiro e as entidades governamentais envolvidas em sustentabilidade.

Acompanhe tudo sobre:Governo LulaCrédito

Mais de Economia

Governo abre crédito extraordinário de R$ 12,2 bilhões para o Rio Grande do Sul

Governo avalia usar saldo de Itaipu para isentar contas de luz de consumidores do Rio Grande do Sul

Efeitos das enchentes no RS na economia serão sentidos no PIB e nos preços, diz secretário

Petrobras: novo modelo de venda a distribuidoras deve reduzir preço do gás em até 10%

Mais na Exame