Economia

Custo global de pandemia pode alcançar US$ 8,8 trilhões, diz ADB

Entre 158 milhões e 242 milhões de empregos podem ser eliminados globalmente, sendo 70% deles na Ásia e no Pacífico, segundo o banco

Cadeiras recolhidas em restaurante fechado em Lisboa, Portugal.  (ose Sarmento Matos/Bloomberg/Getty Images)

Cadeiras recolhidas em restaurante fechado em Lisboa, Portugal. (ose Sarmento Matos/Bloomberg/Getty Images)

Ligia Tuon

Ligia Tuon

Publicado em 16 de maio de 2020 às 08h02.

Última atualização em 16 de maio de 2020 às 08h02.

O custo da pandemia de coronavírus pode chegar a US$ 8,8 trilhões, ou quase 10% do PIB global, dependendo da evolução do surto e do alcance das respostas dos governos, de acordo com o Banco Asiático de Desenvolvimento (ADB, na sigla em inglês).

Um período mais curto de contenção de três meses, associado a fortes políticas, poderia limitar o impacto a US$ 4,1 trilhões, ou 4,5% do PIB mundial, disse o banco com sede em Manila em relatório na sexta-feira. A região da Ásia-Pacífico deve responder por cerca de 30% da queda do PIB global, segundo o relatório.

A análise “destaca o importante papel que as intervenções políticas podem desempenhar para ajudar a mitigar os danos às economias”, disse o economista-chefe do ADB, Yasuyuki Sawada, em comunicado.

As novas estimativas de custos são mais do que o dobro da faixa de US$ 2 trilhões a US$ 4,1 trilhões divulgadas pelo banco de desenvolvimento em 3 de abril. Agora, são mais de 4 milhões de casos confirmados de coronavírus globalmente e as mortes superam 300 mil.

A instituição sugere reforçar os sistemas de saúde, bem como proteções para renda e emprego, com o objetivo de evitar que a recuperação seja ainda mais difícil. Medidas sustentadas dos governos podem amenizar o impacto econômico do vírus em até 40%, disse o ADB.

Impacto global do vírus% do PIBPerdas (US $ bilhões)
Contenção de 3 meses com políticas-4,54.095,8
Contenção de 6 meses com políticas-5,95.387,8
Contenção de 3 meses-6,45.796,9
Contenção de 6 meses-9,78.789,9

Entre 158 milhões e 242 milhões de empregos podem ser eliminados globalmente, sendo 70% deles na Ásia e no Pacífico, segundo o ADB. A região responde por uma parcela maior das demissões, pois o setor manufatureiro permanece intensivo em mão de obra, disse James Villafuerte, economista sênior do ADB, em entrevista na sexta-feira à Bloomberg TV. Na China, até 95 milhões de empregos podem ser eliminados, disse.

Embora os setores de manufatura e hoteleiro sejam os mais atingidos, trabalhadores qualificados em outros segmentos também podem sofrer deslocamento temporário do emprego, disse Villafuerte.

Redução de salários

Com a queda do consumo e investimentos, os salários também devem diminuir globalmente, principalmente nos EUA e na Europa, disse o economista-chefe Sawada em apresentação on-line na sexta-feira.

“É um risco para a saúde e não é impulsionado por problemas econômicos de fundamentos”, disse Sawada. “Políticas inteligentes de saúde e políticas de contenção são realmente a chave”, explicou, citando medidas implementadas na Coreia do Sul e no Vietnã.

Restrições às viagens e confinamentos implementados para impedir a propagação do vírus devem encolher o comércio global entre US$ 1,7 trilhão para US$ 2,6 trilhões, disse o ADB.

Com a colaboração de Anand Menon.

Acompanhe tudo sobre:ChinaCoronavírusPIB

Mais de Economia

Governo sobe previsão de déficit de 2024 para R$ 28,8 bi, com gastos de INSS e BPC acima do previsto

Lula afirma ter interesse em conversar com China sobre projeto Novas Rotas da Seda

Lula diz que ainda vai decidir nome de sucessor de Campos Neto para o BC

Banco Central aprimora regras de segurança do Pix; veja o que muda

Mais na Exame