Economia

Boletim Focus: projeção do IPCA de 2025 é elevada; expectativa da Selic para 2024 também sobe

Revisão para cima do IPCA confirma a desancoragem de expectativas após mudança das metas fiscais

Rebecca Crepaldi
Rebecca Crepaldi

Repórter de finanças

Publicado em 6 de maio de 2024 às 09h04.

Última atualização em 6 de maio de 2024 às 10h53.

Os analistas de mercado consultados pelo Banco Central (BC) no Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, 6, elevaram a projeção do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 2025 de 3,60% para 3,64%. O índice é a pricipal referência para medir a inflação brasileira e a revisão para cima confirma a desancoragem de expectativas após mudança das metas fiscais, englobando um menor rigor com as contas públicas.

Os economistas também revisaram as projeções do IPCA para 2024, da Selic para 2024, 2025 e 2026, além do Produto Interno Bruto (PIB) para 2024. Já o IPCA de 2026 e o PIB de 2025 e 2025 se mantiveram estáveis. Veja detalhes:

IPCA

O IPCA de 2024 teve uma leve alteração de 3,73% para 3,72%. Mas o principal destaque se dá na projeção de 2025, que saltou de 3,60% para 3,64%. O IPCA de 2026 se manteve em 3,50%.

PIB

A mediana das projeções para o PIB deste ano foi elevada de 2,02% para 2,05%, enquanto a de 2025 e 2026 se mantiveram estáveis em 2%.

Selic

As projeções para a taxa básica de juros, a Selic, foram revisadas. Para 2024, economistas, que antes projetavam 9,50%, revisaram para 9,63%. Já a taxa de 2025 passou de 9% para 9,50%, enquanto a de 2026 passou de 8,63% para 8,75%.

Câmbio

Os economistas do mercado financeiro mantiveram as expectativas para o dólar iguais aos do último boletim: R$ 5 (2024), R$ 5,05 (2025) e R$ 5,10 (2026).

Acompanhe tudo sobre:Boletim FocusIPCASelicPIBDólarBanco Central

Mais de Economia

Carteira assinada avança, e número de trabalhadores por conta própria com CNPJ recua

Em 2023, emprego foi recorde e número de trabalhadores com ensino superior chegou a 23,1%

Número de trabalhadores sindicalizados cai pela metade em 11 anos, diz IBGE

Governo avalia propostas para compensar desoneração da folha neste ano

Mais na Exame