Economia

Mudança da meta já afeta canal das expectativas e pressiona BC para reduzir ritmo de corte da Selic

O menor rigor contas as contas públicas e a promessa orçamentária de aumento de gastos afetaram as expectativas de inflação de 2024 e 2025, o câmbio e os juros

 (Rafa Neddermeyer/Agência Brasil)

(Rafa Neddermeyer/Agência Brasil)

Antonio Temóteo
Antonio Temóteo

Repórter especial de Macroeconomia

Publicado em 23 de abril de 2024 às 10h48.

Como esperado, o mercado reagiu à mudança das metas fiscais anunciada na última semana pelo governo. O menor rigor com as contas públicas e a promessa orçamentária de aumento de gastos afetaram as expectativas de inflação de 2024 e 2025, o câmbio e os juros, segundo o boletim Focus, do Banco Central (BC). Toda a piora do ambiente interno se soma à incerteza internacional, com a sinalização de que o Federal Reserve (FED) só deve começar a cortar os juros em dezembro ou em 2025.

Neste ano, a mediana das estimativas para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu de 3,71% para 3,73%. A mediana das projeções para o próximo ano subiu pela terceira semana consecutiva, de 3,56% para 3,60%.

Nos dois casos, a meta para a inflação definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) é de 3%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual. Mesmo dentro da banda, as expectativas estão desancoradas.

Recado sobre expectativas

Como mostrou a EXAME, Campos Neto deu um recado importante sobre expectativas de inflação na última semana ao dizer que o BC terá um “trabalho difícil à frente”, mas que fará o que for necessário para ancorar as estimativas.

Segundo ele, esses dados são muito relevantes para o Comitê de Política Monetária (Copom) e que fará o que for necessário para ancorar as expectativas. Com o aumento das incertezas fiscais, o risco de o ciclo de queda de juros ser interrompido antes do esperado aumentou.

“As expectativas de inflação são muito relevantes para nós. Não há dúvida de que é muito importante manter as expectativas de inflação ancoradas. Sabemos que teremos um trabalho difícil à frente. Vamos fazer o que for necessário para ancorar as expectativas de inflação”, disse o presidente do BC.

Mais inflação, mais juros e dólar acima de R$ 5

Outra variável importante avaliada pelo BC é o preço do dólar e o repasse desse custo para produtos e serviços no Brasil. O Focus apontou que a moeda norte-americana ficará acima de R$ 5 ao longo de 2024, em R$ 5,05 em 2025 e em R$ 5,10 em 2026 e 2027. Significa dizer que o custo da moeda estrangeira pode ser mais um fator de pressão sobre a inflação.

Com a mudança da meta fiscal e expectativa de mais inflação, o mercado passou a esperar um ciclo menor de queda de juros. A mediana subiu de 9,13% para 9,5%. Diversos bancos, corretoras e casas de investimento, entretanto, estão mais pessimistas e esperam que a taxa terminará em 9,75% ao ano.

Para 2025, o mercado subiu a mediana das projeções de 8,5% para 9%. A mal comunicada mudança da meta fiscal, que jogou o ajuste para o próximo presidente, já teve um impacto claro no canal das expectativas.

Os dados das próximas semanas terão influência direta na decisão do próximo Copom, marcado para 7 e 8 de maio. Entre boa parte dos analistas a aposta é de que o corte na Selic será de 0,25 ponto percentual. E o fim do ciclo pode estar mais perto do que muitos acham.

Acompanhe tudo sobre:SelicJurosInflaçãoDólarBanco CentralDéficit público

Mais de Economia

PPI dos EUA sobe 0,5% em abril ante março, superando previsão

Volume de serviços prestados sobe 0,4% em março ante fevereiro, afirma IBGE

Ata do Copom: risco de perda de credibilidade foi determinante para queda de 0,25 pp da Selic

Opep mantém previsão de alta na demanda global por petróleo em 2024, em 2,2 mi de barris por dia

Mais na Exame