• AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
  • AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
Abra sua conta no BTG

Banco Central vai parar de subir os juros para conter a inflação?

No relatório "Alfabeto Econômico", que envia a clientes aos finais de semana, o Alfa discute condições para o BC manter a indicação de parar de subir os juros
Juros: taxa selic está em 11,75%. (Getty Images/DNY59)
Juros: taxa selic está em 11,75%. (Getty Images/DNY59)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 24/04/2022 17:59 | Última atualização em 24/04/2022 17:59Tempo de Leitura: 4 min de leitura

O desafio do Banco Central vai além dos problemas derivados da inflação externa, tendo uma relação muito forte com a estrutura da economia brasileira, preparada durante décadas para se resguardar do aumento dos preços e, portanto, estruturada para perenizar choques temporários, diz o economista-chefe do Banco Alfa, Luís Otávio de Souza Leal. No relatório "Alfabeto Econômico", que envia a clientes aos finais de semana, o Alfa discute condições para o BC manter a indicação de parar de subir os juros ao nível de 12,75% ao ano em maio, além da missão de colocar a inflação no País na meta.

Lembrando os filmes da franquia Missão Impossível, Souza Leal afirma que colocar a inflação na meta em 2022 é, sim, uma "missão impossível", mas fazê-la convergir em 2023 não seria tão impossível assim, desde que haja disposição a incorrer nos custos de fazê-lo. Nos filmes, acrescenta, o personagem Ethan Hunt e equipe estão sempre prontos a ir ao limite, "o que invariavelmente rende boas cenas de ação e grandes bilheterias". "Se o BC fizer o mesmo, a audiência vai aplaudir o resultado?," questiona.

"Para começar a discussão, vamos aos fatos. Para uma meta de inflação de 3,25% em 2023, as expectativas para o IPCA do ano que vem coletadas pelo Broadcast na quinta-feira, 14, indicaram um número ao redor de 4,00%, e a inflação corrente está em 11 29% no acumulado em 12 meses. Usando uma regra de Taylor simples para a economia brasileira, a conclusão é que os juros deveriam chegar a 15,50% ao ano para que houvesse convergência da inflação para a meta em 2023", emenda o economista.

Partindo dos modelos de pequeno porte do próprio BC, os juros teriam que ser elevados até 14,75% ao ano. O custo adicional em termos de crescimento seria de algo entre 1 ponto porcentual e 1 50 pp, quando comparado com o cenário de juros a 12,75% ao ano, continua o texto.

"Portanto, a primeira pergunta que vale a pena fazer é: será que o BC está disposto a incorrer nesse custo? Pelas suas últimas declarações, parece que não", afirma Souza Leal, citando palestra do presidente da instituição, Roberto Campos Neto, em evento do Traders Club e Arko Advice no dia 11.

A despeito de ter deixado a porta aberta para níveis de juros acima dos 12,75%, preconizados na ata da última reunião do Copom "não nos parece que o BC estaria disposto a chegar a patamares tão elevados". "Interessante que mesmo os economistas mais pessimistas não preveem níveis de taxa de juros compatíveis com a convergência tempestiva da inflação", escreve Souza Leal, acrescentando que o teto das projeções coletadas pelo Broadcast ficou em 14,25%.

Estratégia

Ao comentar se a melhor estratégia para combater a inflação seria uma política de juros mais suava ou agressiva, Souza Leal pontua que existem "boas argumentações" de ambos os lados, "mas devemos lembrar que, mesmo que a alta dos juros parasse em 12 75%, poderíamos chamar esse ajuste de qualquer coisa, menos de comedido".

"Estamos falando de uma alta, já implementada, de 9,75 pontos porcentuais em apenas 12 meses, de 2% ao ano para 11,75%. Além disso, considerando os parâmetros do BC, os 12,75% 'prometidos' representariam um avanço de 6 pontos no terreno contracionista. Em termos comparativos, os 14,25% de 2015 representaram um alta total de 7 pontos desde o início do processo (quando a Selic estava em 7,25% a.a.), que demorou 27 meses para ser atingida."

Segundo o economista, ainda usando os parâmetros do BC à época, isso representou um avanço de 5,25 pontos no terreno contracionista. Considerado um caso de sucesso pelo próprio presidente do BC, esse processo trouxe a inflação do pico de 10 71% em janeiro de 2016 para 2,57% em setembro de 2017.

"Notemos que o nível de inflação chega ao mais alto seis meses após o BC parar de subir os juros e só atinge o seu patamar mínimo 26 meses após a interrupção do processo de elevação das taxas. Portanto, independentemente de qual a natureza da incerteza de política monetária nesse momento, não se pode negar que o BC atuou com uma agressividade ímpar na alta de juros. Ou seja, o tempo dessa discussão a respeito de choque ou gradualismo já passou", finaliza.