Atraso nos pagamentos prejudica exportações à Venezuela

De acordo com 54,7% dos exportadores ouvidos pela pesquisa da Fiesp, esses atrasos aumentaram nos últimos 12 meses

São Paulo - O aumento dos atrasos ou mesmo da ausência de pagamentos por importadores na Venezuela tem prejudicado as exportações brasileiras para o país, segundo estudo divulgado nesta quinta-feira, 3, pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). De acordo com 54,7% dos exportadores ouvidos pela pesquisa, esses atrasos aumentaram nos últimos 12 meses.

Além disso, 48,4% disseram demorar até seis meses para receber pelas mercadorias enviadas ao país. A Venezuela é o oitavo maior destino das vendas externas brasileiras, respondendo por 2% de todo o comércio exterior do país.

O estudo realizado pelo Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp aponta como causa desse crescimento das dificuldades nos pagamentos a criação da Comissão de Administração de Divisas (Cadivi), um órgão governamental de controle de entrada e saída de divisas no país vizinho.

O Cadivi tem restringido as remessas de divisas ao exterior e isso atrapalharia os pagamentos dos importadores venezuelanos. Os montantes a receber por 79,7% das empresas ouvidas chegam a US$ 500 mil. O diretor da Derex, Thomaz Zanotto, afirmou que os maiores prejudicados pelos atrasos são os exportadores menores - que vendem volumes pequenos.

O estudo ouviu 64 empresas de 18 setores variados da indústria. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), o comércio entre Brasil e Venezuela mais que quadruplicou de 1999 a 2012, durante a era Hugo Chávez.

Em 2013, o saldo da balança comercial entre os dois países ficou positivo em US$ 4,8 bilhões para o Brasil, ou o equivalente a 9,4% das transações brasileiras para toda a América Latina.

Entre janeiro e fevereiro de 2014, as exportações brasileiras ao país chegaram a US$ 612 milhões. Os principais produtos exportados para os venezuelanos são carnes bovinas e de frango congeladas, enquanto os importados são nafta para petroquímica, ureia com teor de nitrogênio e coque de petróleo não calcinado.

Zanotto disse, contudo, que a situação econômica ainda preocupa menos que a crise política que afeta o país desde fevereiro. Nesta quarta-feira, 2, a deputada oposicionista venezuelana Maria Corina cobrou uma posição mais firme do Brasil em relação à crise enfrentada por seu país em audiência pública na Câmara dos Deputados, em Brasília.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.