• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Vulcões de gelo "inéditos" são encontrados em Plutão; entenda

Descoberta mostrou que este mundo gélido remoto é mais dinâmico do que anteriormente conhecido
 (Reuters/NASA)
(Reuters/NASA)
Por ReutersPublicado em 29/03/2022 18:30 | Última atualização em 29/03/2022 18:41Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Uma série de vulcões de gelo em forma de domo que parecem diferentes de qualquer outra coisa conhecida em nosso sistema solar e ainda podem estar ativos foi identificada em Plutão usando dados da espaçonave New Horizons, da Nasa, mostrando que este mundo gélido remoto é mais dinâmico do que anteriormente conhecido.

Cientistas disseram nesta terça-feira que esses criovulcões — talvez dez ou mais — ficam em algum lugar de 1 km a 7 km de altura. Ao contrário dos vulcões da Terra que expelem gases e rochas derretidas, os criovulcões deste planeta anão expelem grandes quantidades de gelo, aparentemente água congelada em vez de algum outro material congelado, que podem ter a consistência de pasta de dente, segundo eles.

Quais são os maiores desafios da ciência em 2022? Entenda assinando a EXAME.

Características do cinturão de asteróides do planeta anão Ceres, as luas Encélado e Titã de Saturno, a lua Europa de Júpiter e a lua Tritão de Netuno também foram identificadas como criovulcões. Mas todas elas diferem das de Plutão, disseram os pesquisadores, devido a diferentes condições de superfície, como temperatura e pressão atmosférica, bem como diferentes misturas de material gelado.

“Encontrar essas características indica que Plutão é mais ativo, ou geologicamente vivo, do que pensávamos anteriormente”, disse a cientista planetária Kelsi Singer, do Southwest Research Institute em Boulder, Colorado, principal autora do estudo publicado na revista Nature Communications.

“A combinação dessas características sendo geologicamente recente, cobrindo uma vasta área e provavelmente sendo feita de gelo de água é surpreendente porque requer mais calor interno do que pensávamos que Plutão teria nesta fase de sua história”, acrescentou Singer.

Plutão, que é menor que a lua da Terra e tem um diâmetro de cerca de 2.380 km, orbita aproximadamente a 5,8 bilhões de km do Sol, cerca de 40 vezes mais longe que a órbita da Terra. Sua superfície apresenta planícies, montanhas, crateras e vales.

Imagens e dados analisados ​​no novo estudo, obtidos em 2015 pela New Horizons, validaram hipóteses anteriores sobre criovulcanismo em Plutão.

O estudo encontrou não apenas extensas evidências de criovulcanismo, mas também de longa duração, não um único episódio, disse o cientista planetário do Southwest Research Institute Alan Stern, investigador principal da New Horizons e coautor do estudo.

"O que é mais fascinante sobre Plutão é que é tão complexo — tão complexo quanto a Terra ou Marte, apesar de seu tamanho menor e grande distância do Sol", declarou Stern. “Esta foi uma verdadeira surpresa do sobrevoo da New Horizons, e o novo resultado sobre criovulcanismo enfatiza isso de maneira dramática.”

Como a Terra e os outros planetas do nosso sistema solar, Plutão se formou há cerca de 4,5 bilhões de anos. Com base na ausência de crateras de impacto que normalmente se acumulariam ao longo do tempo, parece que seus criovulcões são relativamente recentes — formados nas últimas centenas de milhões de anos.

"Isso é jovem em uma escala de tempo geológica. Como quase não há crateras de impacto, é possível que esses processos estejam em andamento mesmo nos dias atuais", afirmou Singer.