Ciência

Vacina contra coronavírus ficará pronta em setembro, estima especialista

O medicamento está em desenvolvimento em diversos países, mas perspectiva britânica é otimista

Vacina: pesquisadores de todo o mundo buscam criar proteção contra coronavírus (kuniharu wakabayashi/Getty Images)

Vacina: pesquisadores de todo o mundo buscam criar proteção contra coronavírus (kuniharu wakabayashi/Getty Images)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 12 de abril de 2020 às 16h32.

Última atualização em 13 de abril de 2020 às 11h25.

Uma professora da Universidade de Oxford, no Reino Unido, estima que uma vacina contra o novo coronavírus esteja pronta em setembro deste ano. Os testes em humanos devem começar dentro de duas semanas.

Sarah Gilbert, que trabalha junto a uma equipe que desenvolve uma vacina contra o novo vírus, diz estar 80% confiante de que vacina de seu time estará pronta neste ano, afirmou a professora ao jornal britânico Times of London.

“Acredito que há uma grande chance de que o nosso trabalho irá funcionar, com base em outras coisas que já fizemos com esse tipo de vacina”, disse.

O governo britânico já sinalizou positivamente para a produção em massa de uma vacina, uma vez que ela seja aprovada e atestada como segura.

A notícia chega em uma semana em que o número de mortos do coronavírus atingiu 100 mil. Por outro lado, com quase 2 milhões de infectados, 400 mil pessoas já se curaram da covid-19.

A estimativa da professora de Oxford é mais otimista do que a média dos especialistas, que estimam entre um ano e um ano e meio até a criação de uma vacina. Melinda Gates, da Fundação Bill & Melinda Gates, por exemplo, estima 18 meses para o desenvolvimento da vacina contra a covid-19.

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusDoençasSaúdeVacinas

Mais de Ciência

Colisão de asteroides é flagrada pelo telescópio James Webb

Componente de protetores solarares encontrado em alimentos gera preocupação nos EUA

Nova promessa de tratamento para Alzheimer avança nos EUA. Como o medicamento funciona?

Por que uma dieta baseada em vegetais nem sempre é saudável?

Mais na Exame