Acompanhe:

Físico registra dupla explosão de meteoro nos céus de Sorocaba

Fenômeno incomum foi registrado por Marco Antonio Centurion, que faz parte da Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros e mantém uma estação de observação em sua casa

Modo escuro

Continua após a publicidade
Voluntários da Bramon estão espalhados por todo o Brasil e mantêm câmeras e telescópios ligados todas as noite (NASA/Reprodução)

Voluntários da Bramon estão espalhados por todo o Brasil e mantêm câmeras e telescópios ligados todas as noite (NASA/Reprodução)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 23 de abril de 2022 às, 21h02.

Um meteoro explodiu duas vezes seguidas, deixando um curioso rastro de luz no céu de Sorocaba, interior de São Paulo, na quarta-feira, 20. O fenômeno incomum foi registrado pelo físico Marco Antonio Centurion, de 31, que faz parte da Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros (Bramon) e mantém uma estação de observação em sua casa, próxima ao centro da cidade. As imagens viralizaram em redes sociais (veja abaixo).

O registro aconteceu às 19h17 e durou cerca de seis segundos, quando o duplo impacto do meteorito com a atmosfera iluminou o céu de Sorocaba e impressionou o físico. "Não chega a ser um fenômeno raro, mas é bastante incomum e deste conseguimos um registro muito nítido", disse.

As imagens impressionaram também os colegas de Centurion no Clube de Astronomia Centauri, um grupo de voluntários interessados em astronomia.

Ele acredita que a dupla explosão se deu porque o meteorito tinha massa mais densa ou por ser um corpo celeste maior do que o normal. "O tamanho médio de um meteoro equivale ao de uma moeda de 1 centavo. Quando ele entra na atmosfera, se choca com a camada de gases da atmosfera e aquece até explodir, virando poeira. Nesse caso, provavelmente, a primeira camada explodiu e ainda restou massa, que também incandesceu e gerou a segunda explosão", explicou.

Um fenômeno semelhante aconteceu no início do ano no Rio Grande do Sul, segundo o pesquisador.

Membro voluntário da Bramon desde 2020, ele já registrou muitos meteoros, mas é a primeira vez que consegue captar uma dupla explosão em ângulo tão favorável. "Costumo brincar que se fosse fazer um pedido a cada estrela cadente, nome popular do meteoro, teria feito mais de um por dia. Esse registro foi diferente porque minhas câmeras estavam bem posicionadas", disse.

Sua estação trabalha com uma câmera apontada para o nordeste e outra para o oeste, ambas acopladas a um computador.

As imagens serão analisadas por ele, com suporte da Bramon, já que outros observadores captaram as mesmas explosões de outros ângulos. Isso permite 'triangular' os dados e definir a trajetória do meteoro. "Com as imagens, eu faço uma análise preliminar e consigo gerar dados que serão compartilhados com a rede", disse.

Professor de Física e Matemática, Centurion é apaixonado por Astronomia e exerce a função voluntária de diretor científico do Clube de Astronomia Centauri, criado em 2014, em Itapetininga, também no interior paulista. O clube conta com mais de 60 membros.

O Centauri faz parte do programa Space Place da Nasa, a agência espacial norte-americana, e já recebeu um certificado de reconhecimento pelo trabalho de coleta de dados e divulgação científica sobre meteoros através de palestras e nas redes sociais. "A gente traduz, faz a regionalização (adequação às condições brasileiras) e divulga os trabalhos de astronomia que recebe da Nasa. Nosso sonho é que a astronomia se torne matéria curricular nas escolas, como é a física", disse.

Câmeras e telescópios apontados para o céu

Os voluntários da Bramon estão espalhados por todo o Brasil e mantêm câmeras e telescópios apontados para o céu e ligados todas as noites. Após o registro, o operador faz a análise e compartilha as imagens capturadas. Quase nada escapa a esses 'olhares' curiosos para o céu. No dia 3 de abril desde ano, um pequeno asteroide explodiu sobre o Estado do Amazonas, formando uma grande bola de fogo na região central do Estado. Fragmentos desse meteorito podem ter chegado ao solo.

A reentrada de um satélite espião soviético que estava em órbita havia quase 40 anos também foi flagrada pelas câmeras da Bramon no sul do Brasil. A bola de fogo cruzou os céus do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, desaparecendo na fronteira com o Uruguai.

A análise dos vídeos concluiu tratar-se do satélite Cosmos 1437, lançado em janeiro de 1983 pelo foguete Vostok-2M, a partir de Plesetsk, na antiga União Soviética. A data e horário previstos para a reentrada coincidem com o registro do objeto em chamas.

Em agosto de 2021, a passagem de um grande meteoro causou uma explosão e fez a noite virar dia, por alguns segundos, em vários Estados do Nordeste. Várias câmeras registraram a luz intensa, como se o céu estivesse em chamas.

A Bramon é uma rede aberta e colaborativa, mantida por voluntários e apoiadores, com o objetivo de monitorar meteoros, produzir e fornecer dados científicos à comunidade. Seus membros já registraram 3,9 milhões de meteoros e catalogaram 126 radiantes - pontos de origem de uma chuva de meteoros.

Últimas Notícias

Ver mais
Maior buraco negro da Via Láctea é descoberto por cientistas
Pop

Maior buraco negro da Via Láctea é descoberto por cientistas

Há 2 dias

Eclipse solar total de hoje será visto no Brasil? Entenda
Brasil

Eclipse solar total de hoje será visto no Brasil? Entenda

Há uma semana

Quando será o próximo eclipse solar total no Brasil?
Pop

Quando será o próximo eclipse solar total no Brasil?

Há uma semana

Eclipse solar: veja horário e como assistir ao fenômeno raro nesta segunda-feira
Pop

Eclipse solar: veja horário e como assistir ao fenômeno raro nesta segunda-feira

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais