Ciência

Blue Origin: como será viagem espacial do primeiro turista brasileiro

Engenheiro de produção, mineiro Victor Hespanha foi um dos sorteados

 (Blue Origin/Divulgação)

(Blue Origin/Divulgação)

AO

Agência O Globo

Publicado em 16 de maio de 2022 às 06h36.

Última atualização em 16 de maio de 2022 às 08h52.

O brasileiro Victor Correa Hespanha, de 28 anos, foi um dos seis escolhidos para participar da próxima missão espacial NS-21, da Blue Origin, empresa de turismo espacial do bilionário Jeff Bezos. E a viagem já tem data marcada para ser iniciada. A decolagem está prevista para o próximo dia 20, sexta-feira, às 8h30, no Texas, Estados Unidos (10h30 no horário de Brasília).

O voo será feito no veículo suborbital New Shepard. Trata-se de um combo foguete-cápsula reutilizável, projetado para levar pessoas e experimentos científicos para o espaço, segundo o portal especializado “Space”. Aqueles que estiverem a bordo poderão ver a Terra em contraste com a escuridão do espaço, em um período que deve durar entre 10 e 12 minutos, desde a decolagem até o pouso.

VEJA TAMBÉM: 

Cientistas capturam primeira foto de buraco negro no coração da Via Láctea

Cada um dos astronautas a bordo do NS-21 levará ao espaço um cartão postal, em nome da fundação ligada à Blue Origin, “Club for the Future”, que tem um programa voltado a fornecer a alunos passeios no espaço, em foguetes da companhia. Segundo a empresa, a missão do clube é “inspirar as gerações futuras a seguir carreiras nas áreas de Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática para o benefício da Terra”.

Durante o período em que estiverem em órbita, os “passageiros” poderão deixar os seus lugares e flutuar durante alguns instantes, para aproveitar a “gravidade zero”. Neste momento, eles estarão a mais de 100 mil quilômetros de altitude.

Brasileiro na tripulação

Mineiro Victor Hespanha vai participar de viagem ao espaço da Blue Origin (Reprodução)

Nascido em Minas, o engenheiro foi escolhido após adquirir um NFT (token não fungível) pela Crypto Space Agency (CSA) e será apenas o segundo brasileiro a ir até a Estação Espacial Internacional (ISS) — o primeiro foi o ex-ministro Marcos Pontes, em 2006.

Responsável por pagar a passagem do brasileiro, a CSA é uma empresa que afirma ter a missão de unir a tecnologia da indústria espacial com o mercado de criptomoedas. Em 25 de abril, ela realizou uma promoção, colocando 5.555 NFTs à disposição do público e informando que um dos sorteados teria a chance de viajar ao espaço, segundo o “G1”.

No dia 30, a empresa realizou o sorteio, selecionando o brasileiro, que relatou ter comprado o item para “diversificar seus investimentos”.

— Eu comprei pensando no potencial de valorização. Nunca imaginei que o meu seria sorteado. A CSA está realizando meu sonho de infância por meio de um NFT — disse Hespanha.

Contemplados

A CSA disse ainda que vai enviar outro dono de NFT ao espaço ainda em 2022. Além do brasileiro, haverá na tripulação a youtuber mexicana Katya Echazarreta (que será a primeira mexicana a ir ao espaço), que também apresenta séries de televisão para inspirar mulheres e outras minorias interessadas em ciências.

Já o engenheiro e investidor Evan Dick fará o trajeto pela segunda vez — após participar da missão NS-19, que também levou ao espaço Laura Shepard, filha do astronauta Alan Shepard, que é homenageado no nome do foguete.

A próxima viagem da Blue Origin também terá como passageiros Hamish Harding, presidente da empresa de jatos executivos Action Aviation; Jaison Robinson, fundador da empresa imobiliária JJM Investments; e Victor Vescovo, cofundador da empresa de investimentos Insight Equity.

VEJA TAMBÉM: 

Físico registra dupla explosão de meteoro nos céus de Sorocaba

Comando Espacial dos EUA confirma 1º meteorito alienígena a atingir Terra

Acompanhe tudo sobre:Blue OriginEspaço

Mais de Ciência

Virgin Galactic faz último voo espacial antes de um hiato de dois anos

Gel pode virar tratamento contraceptivo para homens

Beber álcool antes de dormir no avião traz risco para a saúde, revela estudo

Painel da FDA rejeita MDMA para tratar estresse pós-traumático

Mais na Exame