Ciência

Artemis I: Nave não tripulada da Nasa retorna à Terra neste domingo

A Artemis I é a primeira série de missões que têm o objetivo de construir uma presença humana de longo prazo na Lua nas próximas décadas

O topo do foguete SLS rumo à Lua em 13 de novembro de 2022 no Centro Espacial Kennedy, na Flórida, antes da decolagem para a missão Artemis 1 (AFP/AFP)

O topo do foguete SLS rumo à Lua em 13 de novembro de 2022 no Centro Espacial Kennedy, na Flórida, antes da decolagem para a missão Artemis 1 (AFP/AFP)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 11 de dezembro de 2022 às 12h50.

A missão Artemis I da agência espacial americana (Nasa) será concluída neste domingo, 11, com a descida e aterrissagem da nave espacial Orion no Oceano Pacífico, às 14h39 (horário de Brasília), após uma jornada de 25,5 dias no espaço e 2,1 milhões de quilômetros ao redor da Lua. A chegada ocorre perto da ilha de Guadalupe, na costa da Baixa Califórnia, no México.

A Artemis I é a primeira série de missões que têm o objetivo de construir uma presença humana de longo prazo na Lua nas próximas décadas, informa a Nasa. A equipe de recuperação de sistemas terrestres de exploração do Kennedy Space Center da Nasa na Flórida, junto à Marinha dos EUA, recuperará a espaçonave. Haverá uma cobertura ao vivo para o evento, que começa às 13h do horário de Brasília, disponível neste link.

Orion, uma nave espacial não tripulada, foi lançada a bordo do foguete do Sistema de Lançamento Espacial (SLS) no dia 16 de novembro do Complexo de Lançamento 39B no Centro Espacial Kennedy da Nasa. A missão Artemis I é o primeiro teste integrado dos sistemas de exploração do espaço profundo da agência espacial.

Confiança para missões à Lua

As informações preliminares da missão Artemis I dão confiança para missões mais complexas, como a de levar astronautas à Lua em 2025, afirma Rosa Ávalos-Warren, engenheira aeroespacial da Nasa e gerente de missão da Rede de Comunicações e Rastreio para Voos Espaciais Tripulados. O objetivo da missão é justamente colocar à prova todas as naves e sistemas envolvidos.

“Todas essas diferentes fases tiveram que funcionar juntas para poder enviar Orion em uma boa trajetória para chegar à Lua e tudo foi realizado com sucesso”, disse a engenheira. “Atualmente estamos a caminho de ter uma missão totalmente bem-sucedida com alguns objetivos adicionais que alcançamos ao longo do caminho”, disse o gerente da missão Artemis I, Mike Sarafin, durante uma teleconferência.

Agora, resta estudar os dados que a Orion traz para conseguir “uma determinação mais específica” quanto à confirmação das datas de lançamento das missões seguintes, a Ártemis II e a Artemis III, ambas tripuladas, “sempre com a segurança dos astronautas como prioridade número um”, ressalta Rosa.

O plano da Nasa é realizar a missão Artemis II em 2024 e no ano seguinte a Artemis III, em que os astronautas tocariam o solo do satélite pela primeira vez desde 1972, quando foram enviados astronautas à Lua na missão Apollo XVII.

Mais de Ciência

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

Mais na Exame