Ciência

Água fora da Terra? Novo estudo questiona descoberta em exoplaneta

Com uma massa oito vezes superior à da Terra, o exoplaneta K2-18 b é descrito como uma "super-Terra", ou um "mini-Netuno"

Ilustração de exoplaneta (Nasa/JAY FRIEDLANDER AND BRITT GRISWOLD/Divulgação)

Ilustração de exoplaneta (Nasa/JAY FRIEDLANDER AND BRITT GRISWOLD/Divulgação)

A

AFP

Publicado em 16 de maio de 2022 às 13h37.

Anunciada em 2019, a descoberta de água na atmosfera de um exoplaneta potencialmente habitável é posta em xeque por um novo estudo - indicou seu autor nesta segunda-feira, 16.

"É possível que haja vapor d'água ao redor do K2-18 b, mas, no momento, não estamos seguros", declarou o astrofísico Bruno Bézard, do Observatório de Paris-PSL.

Os cálculos realizados com os dados da época concluem que foi detectado metano, e não água, segundo o estudo publicado na última quinta-feira, 12, na Nature Astronomy.

Apesar disso, o cientista quer acreditar que "não há somente metano, mas também vapor d'água" na atmosfera do planeta, situado na constelação de Leão, a 110 anos-luz do sistema solar.

O que dizem as últimas pesquisas científicas mais importantes? Descubra ao assinar a EXAME, por menos de R$ 0,37/dia.

O anúncio de 2019 sacudiu o mundo da astronomia, por se tratar do primeiro - e até agora único - exoplaneta situado na chamada "zona habitável". Isso significa que, como a Terra, não está nem muito perto, nem muito longe, de sua estrela para que exista água em estado líquido e a vida seja possível.

Com uma massa oito vezes superior à da Terra, o K2-18 b é descrito como uma "super-Terra", ou um "mini-Netuno".

O estudo de 2019 utilizou observações do telescópio espacial Hubble para analisar a luz filtrada através da atmosfera do planeta. Os resultados revelaram a assinatura molecular do vapor d'água, afirmaram seus autores à época.

A equipe de cientistas do Observatórios de Paris e do Instituto Max Planck alemão retomou agora esses dados. Embora não discutam a possibilidade de se detectar a presença de água, afirmam que os sinais registrados "poderiam ser, perfeitamente, de metano", segundo Bezard.

LEIA TAMBÉM: Pesquisadores fazem horta com solo lunar trazido nas missões Apollo

Questionam, em particular, o fato de que o estudo de 2019 tenha descartado qualquer cenário, no qual a atmosfera contivesse metano, um gás composto por carbono e hidrogênio.

"Não está claro por que favoreceram os modelos em que não há metano", observou o cientista.

Lançado há poucos meses e muito mais potente do que o Hubble, o telescópio espacial James Webb (JWST, na sigla em inglês) poderá ajudar a esclarecer a questão. Segundo Bézard, já está previsto um tempo de observação da atmosfera do K2-18 b.

"Com isso, poderemos determinar se há, efetivamente, vapor d'água e em que proporção", completou.

(AFP)

LEIA TAMBÉM: Blue Origin: como será viagem espacial do primeiro turista brasileiro

Acompanhe tudo sobre:ÁguaEspaçoExoplanetasPesquisas científicas

Mais de Ciência

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

AstraZeneca admite efeito colateral raro da vacina contra covid-19

Aranhas em marte? Fenômeno cria 'aracnídeos' no planeta vermelho

Mais na Exame