Casual
Acompanhe:

Príncipe Harry acusa William de agressão em 2019, afirma The Guardian

"Ele me agarrou pela gola (da camisa), arrancou a gola e me jogou no chão. Caí na tigela do cachorro, que quebrou nas minhas costas, com pedaços me cortando", relatou o Guardian, citando o livro

Os príncipes William e Harry. (Chris Jackson/Getty Images)

Os príncipes William e Harry. (Chris Jackson/Getty Images)

A
AFP

5 de janeiro de 2023, 08h36

O príncipe britânico Harry conta em seu novo livro como foi fisicamente "atacado" por seu irmão mais velho, o príncipe William, durante uma discussão em 2019, informou o jornal The Guardian na quarta-feira.

De acordo com o jornal, a história do incidente aparece no novo livro de memórias de Harry, "Spare", que estará à venda ainda este mês, em meio aos conflitos na família real britânica.

Harry, de 38 anos, escreve que durante um desentendimento na cozinha de sua casa em Londres, William chamou sua esposa Meghan Markle de "difícil", "grosseira" e "ríspida", antes de derrubá-lo no chão enquanto a discussão continuava, disse o Guardian.

"Ele me agarrou pela gola (da camisa), arrancou a gola e me jogou no chão. Caí na tigela do cachorro, que quebrou nas minhas costas, com pedaços me cortando", relatou o Guardian, citando o livro.

Harry então disse ao irmão mais velho para ir embora. William pareceu "arrependido e pediu desculpas", afirmou Harry, segundo o jornal.

O veículo continua a conversa entre os dois príncipes mencionada no livro: "William voltou e afirmou: 'Você não precisa contar à Meg'.

'Quer contar você que me atacou?'

'Eu não te ataquei, Harold', respondeu William, que parecia estar usando um apelido de Harry".

A mais recente revelação sobre o tumultuado relacionamento dos irmãos é divulgada quando seu pai, o rei Charles, se prepara para sua coroação em maio, após a morte em setembro de sua mãe, a rainha Elizabeth II, aos 96 anos.

Harry e Meghan, de 41 anos, revelaram suas experiências na família real britânica em uma série documental da Netflix sobre os motivos de sua surpreendente partida para a América do Norte em 2020.

Na série, o casal atribui grande parte de sua infelicidade às notícias racistas da mídia e ao assédio da imprensa sensacionalista.

A mudança para o estado natal de Meghan, a Califórnia, os tornou impopulares no Reino Unido, onde são frequentemente retratados pela imprensa como egoístas.

Em trechos de uma entrevista para as emissoras ITV no Reino Unido e CBS nos Estados Unidos, transmitidas esta semana antes do lançamento do livro, Harry afirmou que quer "uma família, não uma instituição".

"Gostaria de ter meu pai de volta. Gostaria de ter meu irmão de volta", disse Harry.

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos para você aproveitar seu tempo livre com qualidade.