• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Livro de Machado de Assis em inglês esgota em um dia nos EUA

"Memórias Póstumas de Brás Cubas" caiu no gosto dos americanos sete dias após os protestos contra o racismo nos Estados Unidos
Machado de Assis: autor, que era negro, teve sua cor corrigida em fotos históricas somente no ano passado; nova tradução de seu romance mais famoso virou febre nos EUA (Wikimedia Commons/Reprodução)
Machado de Assis: autor, que era negro, teve sua cor corrigida em fotos históricas somente no ano passado; nova tradução de seu romance mais famoso virou febre nos EUA (Wikimedia Commons/Reprodução)
Por Tamires VitorioPublicado em 05/06/2020 18:42 | Última atualização em 05/06/2020 19:33Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O autor brasileiro Machado de Assis caiu no gosto dos americanos. Em 2 de junho, a editora Penguin lançou nos Estados Unidos uma nova tradução do livro de 1881 Memórias Póstumas de Brás Cubas (em inglês, "The Posthumous Memoirs of Brás Cubas"). A pesquisadora Flora Thomson-Deveaux foi a responsável pela nova versão em inglês do clássico brasileiro.

Na Amazon e na livraria Barnes & Noble, o livro esgotou em apenas um dia. Até o momento, nesta sexta-feira, 5, os estoques físicos ainda não foram repostos. No site da Amazon, o livro é o mais vendido na categoria "Ficção Latino-americana e caribenha."

"Estou ciente de que não é o momento de celebrar o lançamento de um livro, mas eu não teria dedicado anos da minha vida para traduzir este aqui se eu não estivesse convencida de que é uma obra para todas as eras", afirmou a tradutora da edição em seu perfil no Twitter. Isso porque, no dia 2 de junho, o mundo estava passando pelo sétimo dia de protestos contra o racismo após o assassinato de George Floyd, homem negro morto pela polícia de Minneapolis, nos Estados Unidos.

Machado de Assis era um homem negro — o que torna o lançamento de seu livro em inglês ainda mais simbólico. Em julho do ano passado, uma ação corrigiu a cor da pele do autor, consagrado por outras obras, como Dom Casmurro, seu livro mais famoso, e Quincas Borba, em fotos históricas. Por muitas décadas, a cor da pele de Machado foi colocada de lado e gerações de alunos entenderam que o maior nome da literatura brasileira era branco. O escritor era filho de pai negro e mãe branca e passou a infância na pobreza.

"Este livro é uma obra de seu tempo, mas, de muitas formas, para crédito de Machado e discrédito de nós mesmos, também fala sobre a nossa realidade. Existem ecos — troque a febre amarela pela covid-19 — e há a continuidade — racismo sistêmico, tão pungente hoje quanto em 1880", escreveu a tradutora em outro tuíte. Thomson-Deveaux ressalta ainda que, embora o livro esteja esgotado nas grandes livrarias, pode ser encomendado pelo site Bookshop.org. A versão para Kindle na Amazon americana custa cerca de 9 dólares (44,67 reais na cotação atual) e ainda está disponível para compra.

No dia 3 de junho, um dia após o lançamento, a revista americana The New Yorker descreveu a obra de Assis como "uma das mais inteligentes, mais brincalhonas, e portanto, um dos livros mais vivos e sem idade já escritos" — o que pode, com uma pequena dose de certeza, ter ajudado nas vendas.

Em 2018, o lançamento nos Estados Unidos da tradução dos contos completos do autor, feita por Margaret Jull Costa e Robin Patterson, já vinha preparando o terreno para o autor brasileiro em terras estrangeiras. Na ocasião, a revista The New Yorker escreveu: "Ele é um dos melhores autores brasileiros. Por que ele não é mais lido mundo afora?"

 

Veja Também

Lições para o meu filho, Gabriel
Revista Exame
Há 3 dias • 5 min de leitura

Lições para o meu filho, Gabriel

Três lançamentos que todo empreendedor de sucesso deve conhecer
Revista Exame
Há 3 dias • 2 min de leitura

Três lançamentos que todo empreendedor de sucesso deve conhecer