Casual

Novo beach tennis? Conheça o esporte que é febre nos EUA e chega ao Brasil

Pickleball é praticado por Leonardo DiCaprio, George Clooney e Bill Gates; modalidade ganhou força durante a pandemia

Pickleball tem mais de 5 milhões de jogadores só nos Estados Unidos, inclusive famosos (RichLegg/Getty Images)

Pickleball tem mais de 5 milhões de jogadores só nos Estados Unidos, inclusive famosos (RichLegg/Getty Images)

GA

Gabriel Aguiar

Publicado em 3 de março de 2022 às 18h12.

Última atualização em 3 de março de 2022 às 20h00.

Há poucos anos, era difícil encontrar uma quadra de beach tennis no Brasil. Mas tudo mudou pouco antes da pandemia: o esporte se popularizou, ganhou adeptos e, em São Paulo, por exemplo, existe até empreendimento imobiliário que já inaugurou as quadras para servir aos futuros moradores. E é exatamente essa trajetória que os fãs de pickleball pretendem repetir por aqui.

Descubra qual MBA melhor se encaixa ao seu perfil e comece agora.

“Se o beach tennis é uma realidade no Brasil, o pickleball já é uma realidade em outros países. Estão construindo uma quadra no parque da Torre Eiffel, em Paris, por demanda do público. E os famosos começaram a praticar, o que aumenta o barulho em torno desse esporte e dá mais visibilidade”, diz Jose Eduardo Guilger, conhecido como Mado, que foca na divulgação da novidade.

De volta ao país há menos de dois anos, o ex-funcionário do mercado financeiro começou a praticar o pickleball nos Estados Unidos, onde morou antes da aposentadoria. E, dentro da bagagem, trouxe os equipamentos para manter o hobby — além de a representação da marca Franklin Sports. Poucos meses depois, em meados de 2021, passou a praticar em pleno Parque Ibirapuera.

“Nos últimos dias, mais de 200 pessoas passaram por aqui. Também comecei a divulgar em clubes e assessorias esportivas de condomínios, já que existem muitos lugares com quadras poliesportivas ou de tênis que são subutilizadas. E, para começar a vender, eu preciso formar um público por aqui. Por isso, esse primeiro momento será dedicado à apresentação do esporte”, diz Mado.

Esporte promete ser alternativa mais fácil ao tênis e ao squash (Bill Oxford/Getty Images)

Diferentemente dos Estados Unidos, no qual o pickleball tem cerca de 5 milhões de jogadores — com nomes conhecidos, como Leonardo DiCaprio, George Clooney e Bill Gates —, por aqui, a novidade só é praticada por pequenos grupos. Mas existe até uma organização dedicada: Associação Brasileira de Pickleball, de Governador Valadares (MG), considerada capital nacional do esporte.

“Muitos valadarenses foram morar fora do país e conheceram o pickleball. E existem até instrutores, só que ainda é algo muito regional, que começou a chegar recentemente a Belo Horizonte. Em São Paulo ainda está começando, mas existe espaço para crescer, já que os shoppings estão criando atrativos para atrair clientes, como as quadras de beach tennis no Iguatemi”, afirma.

Como vantagem em relação ao tênis tradicional, o pickleball tem regras mais simples e os jogadores garantem que a curva de aprendizado é mais rápida, o que facilita a adesão de novos praticantes — o que também é um ponto forte do beach tennis. De acordo com Mado, outra vantagem da novidade é poder ser jogado por pessoas de diferentes idades e até condicionamento físico.

“Lá fora, o pickleball explodiu nos últimos oito anos, principalmente entre a terceira idade, porque é muito inclusivo e qualquer um pode jogar. Só que o esporte foi criado há muito tempo, em 1965, no estado de Washington, misturando elementos de tênis e badminton. Mais difícil é saber a origem do nome, que pode ter vindo do cachorro do criador ou do barco a remo [pickle boat]”.

Aproveite o seu momento de descanso com notícias sobre esportes, cultura e muito mais. Assine a EXAME por menos de R$0,37/dia.

Acompanhe tudo sobre:EsportesLeonardo DiCaprioTênis (esporte)

Mais de Casual

Festival apresenta mais de 60 documentários musicais em SP

Diamantes de laboratório e inspiração na natureza: confira as tendências da joalheria

A excelência dos vinhos de Bordeaux está no equilíbrio entre tradição e tecnologia

Com 4º título em Roland-Garros, Iga Swiatek chega a R$ 128 milhões em prêmios aos 23 anos

Mais na Exame