Casual

Conheça as principais marcas de relógios suíços, segundo ranking do Morgan Stanley

Relatório anual destaca líderes de mercado na relojoaria de luxo

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 23 de maio de 2023 às 07h51.

Última atualização em 23 de maio de 2023 às 07h53.

O relatório anual da Morgan Stanley sobre a indústria de relógios de luxo, um aguardado documento após o Watches and Wonders em Genebra, ranqueou as principais marcas da relojoaria suíça em 2023.

O anuário leva em conta as tendências do mercado, a complexidade da manufatura e a tecnologia presente nesses relógios, além do faturamento das empresas. O relatório também discorre sobre o impacto dessas marcas na economia suíça e no mercado global de bens de luxo.

O relatório da Morgan Stanley de 2023 destaca, em ordem de importância, as seguintes marcas como as 10 principais neste ano:

  1. Rolex
  2. Cartier
  3. Omega
  4. Audemars Piguet
  5. Patek Philippe
  6. Richard Mille
  7. Longines
  8. IWC
  9. Breitling
  10. Vacheron Constantin

Rolex lidera

Sem surpreender absolutamente ninguém que acompanha a indústria de relógios, a Rolex garantiu a posição número um. A marca manteve sua supremacia como a principal grife suíça, ostentando vendas de 9,3 bilhões de francos e capturando uma participação de mercado de 29%.

A Cartier, de propriedade da Richemont, segue em segundo lugar com vendas de 2,75 bilhões de francos. Em terceiro, o relatório aponta a Omega, do Grupo Swatch, com 2,45 bilhões em vendas.

Audemars Piguet, Patek Philippe e Richard Mille vêm em seguida no ranking. A Breitling e a Vacheron Constantin também destacam-se, garantindo um lugar entre as dez principais marcas suíças de relógios de 2022. A ampliação do volume de produção é um fator atribuído ao aumento de seu faturamento.

A Longines, por outro lado, caiu para a 7ª posição devido à redução da produção em 2022, com um total de 1,7 milhão de unidades produzidas - 100 mil a menos que no ano anterior. Como consequência, o faturamento da empresa atingiu 1,208 bilhão de francos suíços, abaixo dos 1,540 bilhão de francos suíços registrados em 2021.

O relatório também destaca o sucesso da colaboração entre a Swatch e a Omega, a "MoonSwatch", que resultou em um aumento de 90% nas vendas da Swatch em 2022. A colaboração impulsionou o Grupo Swatch a retomar a posição de maior contribuinte de volume na indústria suíça de relógios, com uma estimativa de 4,9 milhões de unidades vendidas em 2022, incluindo marcas como Omega, Longines, Tissot e Swatch.

O Grupo Swatch e a Rolex são agora os dois principais impulsionadores do crescimento de volume da indústria, sendo que a produção da Rolex aumentou em cerca de 150.000 unidades em 2022.

Acompanhe tudo sobre:RelógiosEmpresas suíçasSuíça

Mais de Casual

Dia dos Namorados: 26 restaurantes para comemorar a data em São Paulo

Maratona do Rio: recordes de inscritos e patrocinadores

Por que os iates feitos no Brasil são adorados no exterior? Dois modelos explicam o sucesso

Carros híbridos da BYD prometem rodar até 2 mil kms sem paradas

Mais na Exame