Casual

Como é a arte latina que conquistou Nova York

Exposições foram criadas em museus como MoMa e Guggenheim, centros como Rockefeller e praças importantes dos EUA

Obra da artista chilena Cecilia Vicuña no Museu Guggenheim de Nova York (AFP/AFP)

Obra da artista chilena Cecilia Vicuña no Museu Guggenheim de Nova York (AFP/AFP)

A

AFP

Publicado em 21 de junho de 2022 às 17h19.

Renomados museus como o MoMa e o Guggenheim, centros como o Rockefeller e praças importantes de Nova York foram tomadas pela arte latino-americana. Seria um reconhecimento da comunidade que representa 35% da população?

VEJA TAMBÉM

"Temos interesse em artistas com trabalhos que revelam histórias ocultas", justifica à AFP Suzanne Wu, curadora da exposição da plataforma mexicana MASA, que ocupa o Rockefeller Center há um mês e meio.

A imigração, a cultura indígena, o feminismo e o meio ambiente são alguns dos temais mais recorrentes entre os latinos que vivem nos Estados Unidos, como o salvadorenho Guadalupe Maravilla, que expõe no Museu de Arte Moderna (MoMa) e no Museu do Brooklyn, e a chilena Cecilia Vicuña, com obras no Guggenheim.

Isso se explica, segundo o mexicano Pablo León de la Barra, curador de pintura latino-americana do Guggenheim, pelos "contextos difíceis de seus locais de origem e das minorias nos Estados Unidos".

"Distribuição geográfica"

Obra do salvadorenho Guadalupe Maravilla no MoMa (AFP/AFP)

A argentina Aimé Iglesias é autora de um estudo sobre artistas latino-americanos em Nova York entre 1965-1975, quando muitos fugiram das ditaduras em seus países.

Para ela, "cada vez há mais espaço para artistas destes grupos", por isso os museus estão "prestando mais atenção".

Com 62,3 milhões de latinos nos EUA, que em 2020 representavam 19% da população do país, "é hora das instituições começarem a reconhecê-los e reduzirem a desigualdades nas exibições, entre os funcionários e nas estruturas de poder", afirmou León de la Barra.

Na década de 60, quando Nova York superou Paris como centro de arte internacional experimental, a presença da artistas latinos começou a crescer na Big Apple.

O MoMa passou a acolher suas exposições assim como o Guaggenheim, que também criou um programa de bolsas que beneficiou, entre outros, o brasileiro Hélio Oiticica.

"Reafirmação"

Escultura da exposição "Here" do artista espanhol Santi Flores no distrito Garment de Nova York (AFP/AFP)

A oferta cultural latino-americana inclui as esculturas da mexicana Geles Cabrera na mostra "America's Society" e as esculturas gigantes da exposição "Here" do espanhol Santi Flores no bairro Garment, que nas palavras do autor, enviam mensagens de "reafirmação" e que "continuamos aqui".

O Museu do Bairro, instituição totalmente latina de Nova York, propõe uma retrospectiva de seu criador, o porto-riquenho Raphael Montañez Ortíz, figura-chave do Destrutivismo.

Em setembro, o Armory Show, feira internacional de arte contemporânea de NY, terá pela primeira vez uma seção dedicada a arte latina e ao Latinx, termo que define o latino nos EUA.

O fenômeno não ocorre apenas em Nova York, mas também em Los Angeles, Miami, Chicago, Houston e Dallas.

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos para você aproveitar seu tempo livre com qualidade.

Acompanhe tudo sobre:ArteExposiçõesMuseusNova York

Mais de Casual

Com mais dias e palcos, Feira do Livro começa neste final de semana em São Paulo

Café com aroma japonês: coador Origami acaba de ser lançado no Brasil

Humberto Campana volta à terra natal e cria galeria a céu aberto

Moda e praia à italiana: Missoni assina beach club de hotel na Sicília

Mais na Exame