• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Chanel aumenta preços de bolsas de olho na rival Hermès

Uma bolsa do modelo flap da Chanel de tamanho médio na França agora custa 8.800 dólares, 100 euros a menos do que uma bolsa de couro de bezerro Birkin 30 da Hermès
 (Bloomberg/Bloomberg)
(Bloomberg/Bloomberg)
Por BloombergPublicado em 23/12/2021 15:22 | Última atualização em 23/12/2021 13:04Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A Chanel aumentou os preços globais de algumas de suas bolsas clássicas em quase 66% desde o fim de 2019.

Uma porta-voz disse que os aumentos são uma resposta a flutuações não especificadas das taxas de câmbio, mudanças nos custos de produção e para garantir que as bolsas da marca custem aproximadamente o mesmo ao redor do mundo. Mas executivos e analistas do setor de luxo dizem que a magnitude dos reajustes sinaliza uma estratégia corporativa agressiva: afirmar o controle sobre um dos produtos mais populares da marca, de olho em rivais mais sofisticadas.

Desde novembro de 2019, o preço da pequena bolsa clássica da Chanel nos Estados Unidos subiu 60%, para 8.200 dólares, de acordo com dados compilados pela analista Kathryn Parker, do Jefferies Group. A versão grande da bolsa conhecida como 2.55 agora custa 9.500 dólares nos EUA após o aumento mais recente de preço da Chanel, o quarto feito pela marca em dois anos. A bolsa custava 7.400 dólares em junho, de acordo com Parker.

Charles Gorra, CEO da Rebag, que vende bolsas de luxo usadas, diz que a estratégia pode ter como objetivo tornar os produtos da Chanel mais exclusivos para ganhar espaço entre as bolsas mais icônicas de todas: os modelos Birkin e Kelly da rival Hermès.

Uma bolsa do modelo flap da Chanel de tamanho médio na França agora custa 7.800 euros (8.800 dólares), 100 euros a menos do que uma bolsa de couro de bezerro Birkin 30 da Hermès.

A Chanel se esforça “para fazer parte do mundo Hèrmes e menos do mundo Vuitton e Gucci”, disse Gorra. “Estão tentando se tornar mais sofisticados.”

Ubiquidade x exclusividade

Além de subir os preços de seus produtos, a Chanel tem limitado o número de bolsas que clientes podem comprar de uma só vez, embora os limites não pareçam ser consistentes.

Em Paris, um assistente de vendas da Chanel disse a um repórter da Bloomberg News que um cliente só pode comprar uma bolsa por vez e deve esperar dois meses antes de comprar outra, que não pode ter as mesmas características. Em Nova York, havia limites mensais para a compra de certos estilos clássicos, enquanto repórteres em Hong Kong e Xangai foram informados de que não havia restrições.

A Chanel pode querer que essa escassez a torne “uma marca ainda mais desejável”, disse Ines Ennaji, gerente de desenvolvimento de negócios da Luxurynsight, com sede em Paris, que fornece dados do setor. “Ao aumentar a atratividade, terão um motivo para justificar os aumentos de preços.”