Bebe Vio, a campeã paralímpica que virou rosto de grifes

Em sua conta no Instagram, a bicampeã de esgrima fala sobre autocuidado e representa marcas como Dior, L'Oréal e Tommy Hilfiger
 (Instagram/Reprodução)
(Instagram/Reprodução)
M
Matheus Doliveira

Publicado em 30/08/2021 às 17:50.

Última atualização em 30/08/2021 às 17:56.

Em um vídeo de 30 segundos, a campeã paralímpica de esgrima Bebe Vio convida seus mais de 1,1 milhão de seguidores – entre eles figuras como Lewis Hamilton e Cristiano Ronaldo – a testar um novo rímel da L'Oréal Paris. Em outra parceria paga, desta vez para a Toyota, a italiana diz que nós "somos a soma de nossos sacrifícios, de muitas pequenas ações para alcançar algo realmente grande". Nas fotos espalhadas pelo feed, Vio empresta sua imagem para grifes como Dior, Tommy Hilfiger e Nike, mas também conscientiza seu público sobre a necessidade da vacinação universal.

Quer aprender a investir melhor? Inscreva-se no curso Manual do Investidor da EXAME Academy.

Aos 24 anos, a atleta acaba de se tornar bicampeã paralímpica de esgrima na categoria florete B feminino (que compreende atletas com menor mobilidade de tronco). A partida que garantiu o segundo ouro da carreira de Vio aconteceu no sábado, 28, contra a chinesa Ingjing Zhou, que perdeu marcando 9 pontos ante 15 da italiana. 

Na Paralimpíada do Rio de Janeiro em 2016, quando tinha apenas 17 anos, Vio também derrotou Zhou e garantiu o ouro assim como fez agora em Tóquio. Além de muito talento e treino, uma das explicações do sucesso da esgrimista é o fato de ela ser canhota, o que dificulta a vida dos oponentes. "Se parece impossível, então pode ser feito... Duas vezes!", ela escreveu no Instagram após a vitória. 

Sem braços e pernas

Defensora do fim da divisão entre Olimpíada e Paralimpíada, Bebe Vio cresceu praticando esgrima. Em 2008, quando tinha 11 anos de idade, ela foi acometida com meningite do tipo C, doença bacteriana que pode causar necrose em partes do corpo.

Na época, Vio precisou amputar as mãos e os pés. Depois, perdeu mais uma parte dos braços e das pernas, mas foi incentivada pelo pai a continuar persistindo no esporte. "Muita gente me disse ser impossível jogar esgrima sem as mãos, mas se você tem um sonho, vá atrás", disse ela em coletiva de imprensa em Tóquio.

Em 2010, com próteses especiais feitas para que ela pudesse praticar esgrima, Vio voltou para o esporte. Quatro anos depois, na Paralimpíada de Londres, a italiana já era uma das maiores promessas de sua categoria e foi uma das jovens que carregou a tocha paralímpica até a pira.

Além de atleta medalhista, influenciadora digital que prega autocuidado e rosto de diversas marcas globais, Vio comanda, junto de sua família, uma associação que incentiva crianças e adolescentes deficientes a praticar esportes. Com isso, em 2017, ela foi escolhida como a Atleta com Deficiência do Ano pelo Prêmio Laureus do Esporte Mundial.

Autora de duas autobiografias, Vio também apresenta um programa na TV aberta italiana. Chamado de A vida é um barato ("La Vita è una Figata!"), Vio entrevista diversas personalidades perguntando sobre sonhos e desafios – e fala de seus próprios.