Veja os salários de desenvolvedores e de outras profissões quentes de TI

Com alta demanda, estudo mostra que apenas o salário competitivo não é mais o bastante para reter talentos nestas áreas

São Paulo – Com a evolução da tecnologia e sua maior importância no cotidiano, os especialistas da área estão cada vez mais valorizados.

A demanda por profissionais qualificados é crescente, enquanto a oferta dessa mão de obra ainda é limitada. O resultado é a necessidade das empresas oferecerem salários competitivos.

Para os desenvolvedores, a remuneração média nacional na carreira é de 6.452 reais. O dado faz parte de estudo feito pela Revelo sobre o panorama de salário em tecnologia, que reuniu dados de 9 mil ofertas de emprego e 100 mil candidatos.

Segundo Lachlan de Crespigny, cofundador da Revelo, startup de recrutamento de profissionais de tecnologia, a procura por desenvolvedores é a mais aquecida do mercado. “Empresas grandes estão investindo pesado em aplicativos. Muitos bancos procuram ter seu acesso mobile mais sofisticado”, explica ele.

A Revelo analisou quatro áreas de TI que apresentam as maiores demandas de profissionais. Atrás dos desenvolvedores na média nacional, aparecem os especialistas em business intelligence, que recebem  6.241 reais. Depois, vêm os de design UX/UI, com 5.466 reais, e de marketing online, com 4.588 reais. Confira a tabela completa:

Média salarial por foco R$
Data Scientist 6.732
Business Intelligence 5.740
Product Owner 8.190
Full-stack 6.518
Back-end 6.486
Mobile 6.421
Front-end 5.762
UX Design 5.853
UI Design 5.055
Marketing Digital 4.832
Marketing, Publicidade e Propaganda 4.462
Social Media 3.718

O executivo da Revelo observa falta de profissionais para todas as empresas que estão recrutando agora- e até mesmo prevê uma escassez mundial nos próximos anos. Assim, as empresas têm procurado atrativos a mais para reter seus talentos.

E as formas de agradar vão além da vantajosa remuneração. O estudo revelou que 61% das contratações não tiveram a maior oferta salarial.

Com tantas ofertas, os candidatos demandam mais do futuro empregador. Para Lachlan de Crespigny existem dois principais diferenciais de atração: a equipe e o tipo de tarefa. “Saber que vão gostar do dia a dia do trabalho pesa bastante na escolha da empresa, aí entra as pessoas com quem conviver e se o cargo oferece desafios que os motivem”, fala Crespigny.

O estudo também aponta qual o peso do tempo de casa na remuneração do funcionário. Para quem fica nos cargos por até seis anos, os efeitos ficam ainda mais claros: para desenvolvedores, o aumento é de 64%. O maior avanço foi em Design UX/UI, de 70,7%.

Média de salário oferecido (R$) 0-1 ano 1-3 anos 3-6 anos 6+ anos
Desenvolvedor 5.003 5.502 6.818 8.196
Marketing online 4.107 4.489 5.106 6.037
Design UX/UI 4.080 4.815 5.377 7.013
Business Intelligence 5.542 6.411 7.925 8.539

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.