Carreira

O que cada geração está falando na terapia? Compare as respostas da Geração Z aos Boomers

O portal Business Insider perguntou a seis terapeutas o que seus clientes de diferentes gerações costumam falar na terapia

Terapia: entenda quais são os problemas atuais de diferentes gerações (Getty Images/Divulgação)

Terapia: entenda quais são os problemas atuais de diferentes gerações (Getty Images/Divulgação)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 27 de abril de 2024 às 14h23.

Na era dos podcasts gravados um tema tem aparecido muito entre as pautas dos programas: a relação da Geração Z com o ambiente de trabalho. De um lado, há as pessoas de gerações mais antigas, como os Boomers, que taxam a Geração Z como "instáveis" no trabalho, dizendo que "não querem mais trabalhar". Do outro, há quem analise que essa geração veio para transformar o mercado, já que não aceita mais abdicar da vida pessoal ou da saúde mental para trabalhar além do horário comercial.

A briga entre gerações não é de hoje e é pauta, inclusive, da terapia. Buscando entender as reclamações entre pessoas de diferentes idades, o portal Business Insider perguntou para seis terapeutas o que as diferentes gerações estão falando. Afinal, cada uma tem caraterísticas bem específicas, mas a grande dúvida é: será que não há pontos de reclamações em comum?

Spoiler: todas as gerações trouxeram tópicos como sentimento de inadequação, relacionamentos e dificuldade em navegar nas transições da vida. Isso porque não é só a Geração Z que luta com sua saúde mental. Em 2022, por exemplo, quase um quarto dos adultos norte-americanos visitaram um psicólogo, terapeuta ou psiquiatra, como apontou a pesquisa Gallup. Isso representa um aumento de 10% desde 2004.

Não importa quantos anos tenhamos, todos estamos lutando com alguma coisa, seja pessoal ou coletivamente. “Cada geração está genuinamente lutando para dar sentido a como sua vida deveria ser neste momento. O que isso significa para diferentes faixas etárias é diferente”, disse Israa Nasir, psicoterapeuta radicada em Nova York e autora do próximo livro “Toxic Positividade" ao Business Insider.

Mas, apesar de diferente, a especialista enfatiza que cada geração passa pelos mesmos estágios de vida necessários para se tornar um ser humano totalmente formado. Portanto, embora as tendências online façam você acreditar que a Geração Z é de um jeito totalmente diferente dos seus pais, provavelmente são mais parecidos do que diferentes.

Geração Alfa

As pessoas da Geração Alpha nasceram por volta de 2010, ou seja, os mais velhos completam 14 anos este ano, então estamos falando de crianças e adolescentes.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, quase uma em cada cinco crianças tem um transtorno mental, emocional ou comportamental, sendo o Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) e a ansiedade os mais prevalentes. Mas, dessas, apenas 20% recebem tratamento de saúde mental. Os dados do CDC são baseados em crianças e adolescentes com idades entre 3 e 17 anos.

Houve um aumento no número de crianças diagnosticadas com TDAH desde 2003, de acordo com o CDC, e a ansiedade também aumentou com o tempo. Entre 2016 e 2019, mais de 9% das crianças norte-americanas foram diagnosticadas com ansiedade.

Georgina Sturmer, conselheira residente no Reino Unido e registada na Associação Britânica de Aconselhamento e Psicoterapia, disse ao Business Insider que esta faixa etária foi “duramente atingida por uma tempestade perfeita”, com a "pandemia da Covid-19 mergulhando o mundo em uma turbulência e incerteza e separando-os de seus pares".

Em um sentido mais geral, as crianças com menos de 13 anos estressam-se mais com as coisas que acontecem no seu ambiente imediato. “Muitas vezes o que está a acontecer naquele dia ou naquela semana”, afirmou ao portal Amanda Macdonald, uma terapeuta registada no BACP no Reino Unido.

Os pais normalmente desempenham um grande papel na vida dos filhos nesta idade, e há um empurrão e um puxão entre o que é permitido, como as coisas são feitas e o desejo da criança de maior independência, explicou Macdonald. A Geração Alfa também está formando amizades fora da família e independentes de seus pais ou responsáveis, e isso se reflete nas preocupações das crianças.

Thai Alonso, psicóloga clínica baseado em Nova Jersey, também completou que a preocupação mais comum entre as crianças no final do ensino fundamental ou médio é o conflito com os pais. As expectativas dos pais em relação ao comportamento dos filhos e a forma como lidam com as emoções podem causar conflitos.

Entre os Gen Alphas em idade pré-escolar, que são jovens demais para a terapia individual, Alonso disse que recebe muitos encaminhamentos para crianças que lutam com dificuldades comportamentais, como regulação emocional, raiva e TDAH.

Geração Z

A Geração Z tem normalmente entre 14 e 26 anos. Os terapeutas disseram que questões de identidade, imagem corporal e amizade são preocupações comuns nessa faixa etária, e muitas vezes lutam contra a ansiedade e o mau humor.

Segundo Jill Owen, psicóloga clínica do Reino Unido, os jovens da Geração Z que estão no ensino médio ou na faculdade se preocupam com hierarquias e dinâmicas sociais, como quem é "legal" e quem não é, o que pode levar à angústia e à sensação de não ser bom o suficiente. Seus clientes muitas vezes se comparam com seus pares, especialmente quando se trata de quão “populares” ou atraentes eles são. Ela acredita que a ascensão das mídias sociais na última década piorou a situação.

“Os jovens da Geração Z estão desenvolvendo seu próprio senso de identidade, com a forma como se vestem, falam e passam o tempo, essencialmente o que significa ser ‘eles’”, disse Owen. “Com este sentimento de independência vem a ansiedade de se tornar adulto e uma consciência de questões mais amplas, como as alterações climáticas e as injustiças globais.”

Diana Garcia, uma terapeuta na Flórida, trabalha principalmente com pessoas mais velhas da Geração Z, entre 18 e 26 anos. “Nesta fase da vida, eles estão começando a explorar o que é importante para eles, se têm valores semelhantes ou diferentes dos de sua família, origem", disse ela. Eles estão pensando em carreiras ou no início dessa jornada e isso pode criar sentimentos de ansiedade, também disse ela.

Geração Y

Tal como a Geração Z, os millennials, que têm entre 27 e 40 anos, também se sentem inseguros porque comparam as “vidas perfeitas” que veem nas redes sociais com as suas próprias, disse Owen. Muitos também estão se tornando pais pela primeira vez ou pensando em ter filhos, o que pode trazer à tona muitos sentimentos diferentes.

As gerações anteriores não estavam tão conscientes da extensão em que os estilos parentais podem impactar a saúde mental de uma criança. As redes sociais tornaram esta informação popular e os millennials pensam mais sobre como a sua educação os afetou emocionalmente e como podem evitar prejudicar os seus filhos, explicou Israa Nasir.

“Observei muita motivação para olhar para dentro e começar a desvendar os traumas da infância, num esforço para proteger os próprios filhos”, completou Alonso.

Nasir também viu isso. "Na verdade, as pessoas entram na terapia dizendo: "'Acho que tive muitos problemas emocionais com meus pais quando era mais jovem' ou 'Preciso lidar com meus problemas com meus pais'."

Muitos millennials também estão atingindo marcos tradicionais, como comprar propriedades, casar e ter filhos mais tarde. Aqueles que não cumpriram estas expectativas sociais ou simplesmente escolheram um caminho diferente podem recorrer à terapia para discutir essas pressões, pontuou Sturmer.

Geração X

Os membros da Geração X têm entre 44 e 59 anos. Eles têm rendimentos mais elevados do que os da geração Y, mas muitos ainda têm dívidas universitárias para pagar ou estão pagando-as em nome dos filhos. Eles também cuidam de pais idosos, têm famílias maiores do que a geração Y e espera-se que “se tornem líderes comunitários”, concluiu uma análise da Gallup de 2019. “É uma tempestade perfeita de estresse financeiro, emocional e de pressão de tempo”, disse Gallup.

Sturmer, que trabalha principalmente com mulheres, disse que todas essas pressões, além de lidar com o impacto emocional da menopausa, cobram seu preço mentalmente.

Muitos de seus clientes da Geração X também estão tentando ajudar seus filhos a lidar com desafios de saúde mental. Ela disse que vê “pais cansados, sobrecarregados e estressados ​​que estão fazendo o possível para apoiar seus filhos na navegação pelos serviços de saúde mental, ao mesmo tempo em que lidam com tudo o que está acontecendo em suas próprias vidas.”

Boomers

Os Baby Boomers estão na casa dos 60 e 70 anos. Como o portal Business Insider informou anteriormente, os Boomers detêm metade da riqueza da América, mas esta não está distribuída uniformemente entre eles. Muitos membros desta geração são considerados economicamente inseguros e não têm poupanças suficientes para a reforma e cuidados de longa duração.

Eles estão se adaptando a uma fase posterior da vida e alguns temem que, à medida que envelhecem, possam começar a perder a identidade ou a sentir uma perda de direção. “A reforma pode trazer consigo uma perda de identidade, confiança e sentido de propósito. Situações de ninho vazio podem ter um impacto semelhante”, disse Owen.

À medida que os filhos crescem e formam suas próprias famílias, isso pode provocar sentimentos difíceis. “Se sempre compreendemos o nosso papel em termos do nosso trabalho ou da nossa vida familiar, então faz sentido que isto nos deixe com dificuldades para compreender quem somos”, disse Sturmer.

“Muitas vezes ouvimos pessoas brincando sobre a sorte dos Boomers – educação universitária gratuita, aumento dos preços das casas – deixando-nos com uma imagem estereotipada de um casal sem dívidas partindo para a aposentadoria."

*Com informações da Business Insider

Acompanhe tudo sobre:Geração XGeração YGeração ZPsicologia

Mais de Carreira

Quais são os jargões mais utilizados no mundo corporativo?

O que o estagiário recebe quando acaba o contrato?

O que faz um auxiliar de produção?

Profissões na área de Humanas: conheça 5 oportunidades e tendências

Mais na Exame