• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Nada de rosas: o dia da mulher na Vivo terá debate sobre violência

Para o Dia Internacional da Mulher, a empresa promoverá uma debate com especialistas sobre o enfrentamento à violência contra a mulher
 (Getty Images/Sunny)
(Getty Images/Sunny)
Por Luísa GranatoPublicado em 05/03/2020 06:00 | Última atualização em 05/03/2020 17:07Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo – No Brasil, cerca de 13 mulheres foram assassinadas por dia em 2017, segundo a edição de 2019 do Atlas da Violência. Ao todo, 4.936 mulheres foram mortas, o maior número registrado desde 2007.

E de acordo com os dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), em 2018, a cada 2 minutos uma mulher foi vítima de violência doméstica, totalizando 263.067 casos. Com números preocupantes sobre a realidade das mulheres brasileiras, o mês de março, quando ocorre o Dia Internacional da Mulher (dia 8), não é para celebração, muito menos um mar de rosas.

O tema da violência contra a mulher foi levantado durante uma das reuniões do grupo de diversidade da Vivo que discute questões de gênero. Entre funcionários e líderes da empresa, todos concordaram que as organizações têm um papel importante para começar conversas.

No dia 24 de março, a Vivo terá palestras para seus mais de 32 mil colaboradores, 55% homens e 45% mulheres, com especialistas sobre violência contra a mulher e como combatê-la, contando com representantes da ONU, da Promotoria Pública e de outras empresas que consideram exemplares.

Segundo Niva Ribeiro, vice-presidente de Pessoas na Vivo, a companhia precisa representar a sociedade e também criar discussões acerca de seus problemas.

“Precisamos ter conversas maduras para criar um ambiente de respeito. Cada vez mais, vamos qualificar e amadurecer temas que são pertinentes para a sociedade e que têm seu impacto dentro da empresa. A sociedade vem com os preconceitos estruturados, já abrimos conversas em outras ações e agora vamos falar sobre violência contra a mulher”, fala a VP.

Com dois anos da atuação do grupo de diversidade da empresa, Ribeiro conta que é possível ver grandes mudanças na empresa, que começam com o treinamento dos líderes sobre diversidade e se estende para contratações conscientes em todos os níveis de profissionais, desde mais mulheres como técnicas para instalação telefônica até 25% de representatividade dentro do conselho de administração.

Entre as ações inovadores da empresa que surtiram efeito, está a necessidade da presença de candidatas entre os finalistas para qualquer vaga aberta e vínculo da meta de diversidade da empresa ao bônus de seus executivos.

“Adotamos várias ideias dos grupos de afinidade sobre raça, gênero, pessoas com deficiência e LGBTQ+ para que as pessoas se sintam confortáveis para trabalhar aqui. Como espaço de amamentação para quem retorna da licença-maternidade e o uso do banheiro pela identidade de gênero”, comenta Ribeiro.

Junto a ação de março, a empresa também oferece um canal anônimo e administrado por uma empresa terceira que dá assessoria jurídica para funcionárias vítimas de violência.