Depressão causa perda anual de 78 bilhões de dólares no Brasil

Pesquisadora da London School of Economics mostra os efeitos do estigma sobre doenças mentais no trabalho e na economia

Não ajudar os funcionários com seus problemas de saúde mental tem um custo – e ele é caro. Segundo a pesquisadora Sara Evans-Lacko, da London School of Economics, o Brasil perde 78 bilhões de dólares com a queda de produtividade causada pela depressão.

O dado isolado parece justificar o estigma que pessoas com doenças psiquiátricas já sofrem no ambiente de trabalho. E aí entra um fato revelador da pesquisa: reverter esse cenário depende da cultura da empresa e das lideranças, não do indivíduo.

A pesquisadora revelou o fator que pode ser decisivo para reverter esse cenário de improdutividade durante sua apresentação no Summit de Saúde Mental nas organizações nesta quarta-feira, 9.

“Nós descobrimos que se um funcionário com depressão trabalha em um lugar sem nenhum apoio do gestor ou o gestor evita falar da depressão, então ele tem mais chances de tirar licença médica no trabalho. Por outro lado, se o gestor oferecesse ajuda, a pessoa tem menos chance de ficar longe do trabalho”, fala ela.

Os dados lidam com uma medida que todos os empregadores deveriam estar alertas: o absenteísmo.

“Quando começamos a falar de questões de saúde mental no trabalho, olhamos para os dados de absenteísmo, que é a licença médica. Mas a gente tem um dado significativo, três vezes mais impactante para as organizações do presenteísmo, onde eu estou no ambiente de trabalho, mas não estou conseguindo trabalhar no meu potencial”, explica Cintia Gonçalves, sócia e fundadora da GETAHEAD, que coordenava o painel.

O presenteísmo é o outro lado da moeda, quando o funcionário comparece ao trabalho, mas ainda há uma grande perda de produtividade pela falta de apoio.

Na pesquisa de Sara Evans-Lacko, o apoio dos gestores representou um impacto na produtividade das pessoas com depressão. A falta de suporte mostrou que os funcionários são menos produtivos, mesmo comparecendo ao trabalho.

“Isso mostra um argumento econômico real para a diminuição do estigma no ambiente de trabalho. Não apenas para o bem estar dos funcionários, claro, e para promover uma cultura de trabalho positiva, mas também para o argumento da produtividade econômica para os empregadores”, comenta a pesquisadora.

Ela fala que existem casos que já mostram que é possível promover ações de conscientização no trabalho sobre os problemas de saúde mental e como dar suporte para pessoas com esses problemas para reduzir o estigma.

Para o psiquiatra Rodrigo Bressan, fundador do instituto Ame Sua Mente, é importante ressaltar que ao falar de saúde mental, o assunto toca 100% das pessoas. Embora existam doenças crônicas e situações mais graves, o estresse e a administração de emoções deveriam ser preocupação de todos.

Enquanto até um quarto da população mundial terá algum transtorno mental ao longo da vida, apenas 1 em cada 20 dessas pessoas terá alguma incapacitação decorrente da doença. Segundo o médico, o estigma atrasa a busca por tratamento.

“Tudo começar com o autoconhecimento, as noções de como a gente funciona. Estamos acostumados a olhar nossos talentos e deficiências para as tarefas, como ir bem em matemática e em outra coisa não. E a gente não percebe tanta clareza para em que tipo de relacionamento você funciona melhor ou pior”, explica o médico.

Os debates do Summit de Saúde Mental continuam hoje e na quinta-feira, 10. Confira a programação completa:

DIA 8/12

Das 8h30 às 9h30
Saúde e Bem-estar: Vantagem Competitiva no Mundo Contemporâneo
Pedro Thompson (CEO EXAME) e Geoff McDonald (Cofundador da ONG Minds at Work e ex-Unilever)

Das 18h às 19h
Saúde Mental: Por Que A Hora É Agora?
Sidney Klajner (presidente do Hospital Albert Einstein)

Das 19h às 20h
Saúde Mental em Sinergia Com Outras Pautas, Culturas, Gestão da Mudança e Diversidade
Betina Lackner (diretora de RH da Johnson & Johnson), Nélio Bilate (CEO da NBheart) e Francine Graci (diretora de career experience do Twitter Latam)

DIA 9/12

Das 8h30 às 9h30
O Ciclo Virtuoso: Redução de Preconceito & Estigma e Promoção da Saúde Mental
Sarah Evans Lacko (pesquisadora da London School of Economics) e Rodrigo Bressan (psiquiatra, professor e fundador do Instituto Ame Sua Mente)

Das 18h às 19h
Estresse e Burnout: Estratégias de Prevenção
Pedro Pan (psiquiatra e pós-doutor pela Unifesp), Marco Kheirallah (sócio-diretor da SIP Capital) e Glaucimar Peticov (diretora executiva do Bradesco)

Das 19h às 20h
O Papel do Líder Como Promotor da Saúde Mental
Paulo Kakinoff (presidente da Gol), Ana Paula Bogus (global head of business da Rappi), Elieser Silva (diretor superintendente de medicina diagnóstica e ambulatorial do Hospital Albert Einstein) e Caito Maia (CEO da Chilli Beans)

DIA 10/12

Das 9h às 10h
Triagem Emocional: Uma Ferramenta Para os Primeiros Sinais de Estresse
Claire Finch (client director do Kets de Vries Institute), Caroline Rook (associada do Kets de Vries Institute e professora da Henley Business School, UK) e Thomas Hellwig (associada do Kets de Vries Institute e professor adjunto do Insead França)

Das 17h às 18h
Como Construir um Business Case Para Investir em Saúde Mental na Sua Organização
Raquel Conceição (diretora de saúde corporativa do Hospital Albert Einstein) e Maria Susana de Souza (vice-presidente de RH da RaiaDrogasil)

Das 18h às 19h
Impactos Positivos e Desafios de Endereçar Saúde Mental nas Organizações
Luciana Paganato (vice-presidente de RH da Unilever), Mariana Holanda (diretora de saúde mental da Ambev) e Moisés Marques (diretor de RH da Novo Nordisk)

Das 19h às 20h
Geração Z: Saúde Mental e Futuro do Trabalho

Para participar e enviar perguntas aos painelistas, inscreva-se gratuitamente aqui.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.