Carreira

Carreira em alta: na onda ESG, diretor de felicidade é a aposta do mercado; veja salário e o que faz

Heineken e Chilli Beans adotaram a nova posição em seus organogramas; especialistas afirmam que a criação do novo cargo vai de encontro com as preocupações ESG

Diretor de felicidade é responsável por garantir o bem-estar dos profissionais e podem receber salários atrativos por isso (Freepik)

Diretor de felicidade é responsável por garantir o bem-estar dos profissionais e podem receber salários atrativos por isso (Freepik)

Guilherme Santiago
Guilherme Santiago

Content Writer

Publicado em 16 de abril de 2024 às 08h00.

Boas remunerações não são mais suficientes para reter talentos. Além de benefícios atrativos, as empresas também precisam oferecer um ambiente de realização profissional. Para isso, um novo cargo está sendo criado nas corporações: o de diretor de felicidade

É o caso da Heineken e da Chilli Beans, que incluíram a posição aos seus organogramas. Segundo Mauricio Giamellaro, presidente do Grupo Heineken, a nova posição faz parte da estratégia da empresa para entender como cuidar melhor do funcionário. “Esse pilar está alinhado à nossa cultura de respeito e cuidado, começando pelas pessoas, que são as responsáveis por construir a história Heineken”, disse ele em entrevista à EXAME.

Para especialistas, a adoção dessa nova posição dentro das empresas vai além do aspecto humano: é também resultado das crescentes preocupações com o ESG. E profissionais com habilidades verdes podem ter um novo espaço de atuação nas grandes empresas.

Mas o que faz esse profissional? Qual o salário? Como se tornar um? Veja, a seguir, as respostas sobre as principais dúvidas relacionadas a essa nova possibilidade de carreira.

Capacite-se em ESG: EXAME dá certificado para quem participar de treinamento virtual sobre carreira em sustentabilidade. Garanta a sua vaga clicando aqui.

O que faz um diretor de felicidade?

Monitorar e agir. Essa é uma boa maneira de resumir as funções desse profissional. Isso porque, em um primeiro momento, um diretor de felicidade deve avaliar o nível de bem-estar dos funcionários – seja por meio de pesquisas, feedbacks ou entrevistas. 

Em seguida, ele deve liderar a adoção de políticas para promoção de um ambiente de trabalho saudável. Algumas empresas apostam em horários flexíveis, outras optam pelo trabalho remoto e há algumas que preferem oferecer políticas de férias mais generosas. Seja qual for a estratégia, sua implementação é responsabilidade do diretor de felicidade.

Mas as atribuições podem ir muito além de monitorar e agir. Abaixo, elencamos outras tarefas que podem ser desempenhadas por esse profissional.

  • Promover uma cultura organizacional positiva;
  • Atuar na mediação de conflitos internos;
  • Organizar eventos para engajamento de funcionários;
  • Promover treinamentos para ajudar funcionários a alcançar metas;
  • Fornecer um canal aberto para feedback dos funcionários;
  • Implementar programas que apoiam a saúde dos colaboradores.

Chega de caçar emprego: este treinamento mostra como se qualificar em ESG  e sustentabilidade para se tornar alvo dos recrutadores em diferentes setores

Quanto ganha um diretor de felicidade?

O salário de um diretor de felicidade pode variar bastante. Segundo o Glassdoor, a média salarial para trabalhar em diretorias de felicidade no Brasil é de R$ 7 mil. Mas as remunerações podem ser muito mais altas de acordo com a localização da empresa, do tamanho e do setor da indústria, além da experiência e do histórico do próprio profissional. 

Como se tornar um diretor de felicidade?

Além da educação formal (como possuir um diploma de graduação ou certificações em áreas específicas), é importante possuir experiência profissional e habilidades relevantes.

Ganhar experiência em áreas de recursos humanos ou ESG pode ser um diferencial importante para profissionais que desejam ingressar em diretorias de felicidade. Isso porque aplicar estratégias socioambientais, gerenciar equipes e resolver conflitos são habilidades frequentes para quem atua nesses setores – e isso é um passo à frente para colaboradores que desejam migrar para as diretorias de felicidade.

Além disso, desenvolver habilidades de liderança e gestão voltadas para o ESG também é essencial. Dominar essas capacidades permite aos trabalhadores implementar programas de bem-estar e promover uma cultura positiva de forma mais eficaz 

Aprenda com quem sabe na prática como funciona o mercado de ESG! Garanta a sua vaga em treinamento virtual com condições especiais clicando aqui

Por apenas R$ 37, veja como construir uma carreira em ESG

Ciente da urgência de qualificar a força de trabalho atual para este novo cenário, a EXAME acaba de anunciar a terceira edição do Workshop ESG: Carreira e Impacto. Ministrada pela executiva Renata Faber, a série é composta por quatro aulas teóricas e práticas, que acontecem de forma virtual a partir de 24 abril – e está com inscrições abertas.

O treinamento tem como objetivo capacitar profissionais de diferentes setores de atuação para construir uma carreira com propósito e ótimos salários em ESG (sigla que está ditando uma verdadeira revolução nas empresas).

Durante o período de lançamento, o curso está sendo ofertado com condições especiais: além do workshop, os compradores garantem acesso a um ano de assinatura da EXAME digital e ao livro digital “ESG: O guia completo para empresas e profissionais”. Tudo por apenas R$ 37um desconto de 87,5% em relação ao preço original, que é de R$ 297.

Não perca essa oportunidade! Clique aqui para saber mais informações sobre o Workshop e garantir a sua vaga

*Este conteúdo é apresentado por Faculdade EXAME

Acompanhe tudo sobre:branded marketing

Mais de Carreira

Você busca por salário emocional? Saiba mais sobre esse benefício que está atraindo profissionais

RH estratégico: descubra por que as empresas estão apostando nesta nova cultura

Flexibilidade e futuro: como o trabalho Gig está redefinindo carreiras no Brasil?

O perfil do estagiário brasileiro: Quanto ganham, onde moram e o que querem?

Mais na Exame