Carreira

A 'leitura obrigatória' de Bill Gates no momento

Fundador da Microsoft deu dicas de leitura para entender melhor as pessoas ao seu redor

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 8 de junho de 2024 às 08h30.

Bill Gates lançou recentemente uma lista de recomendações de livros para este ano. Ele destacou apenas um como "leitura obrigatória": “How To Know A Person: The Art of Seeing Others Deeply and Being Deeply Seen” (Como Conhecer Uma Pessoa: A Arte de Ver os Outros Profundamente e Ser Profundamente Visto), escrito pelo colunista do New York Times, David Brooks, e publicado em outubro de 2023. No livro, Brooks oferece pesquisas e dicas sobre como se comunicar e se conectar melhor com outras pessoas. A indicação foi feita no site de Gates.

“Mais do que um guia para conversas melhores, é um plano para uma maneira de viver mais conectada e humana,” escreveu Gates em seu blog. “É uma leitura obrigatória para quem deseja aprofundar seus relacionamentos e ampliar suas perspectivas.”

O livro foca em três temas: curiosidade, empatia e autoconsciência, todos fundamentais para entender melhor as pessoas ao seu redor.

Curiosidade

Algumas pessoas são melhores conversadoras porque se interessam genuinamente pelos outros e permitem que eles compartilhem suas histórias e perspectivas de maneira autêntica, escreve Brooks. Ele chama essas pessoas de “iluminadoras”. O oposto são os “diminuidores”, que não demonstram curiosidade e não fazem perguntas.

“Os iluminadores fazem você se sentir valorizado, são curiosos sobre você, querem fazer perguntas,” disse Brooks em uma discussão na Universidade de Colgate. Pessoas tendem a se abrir mais para quem demonstra interesse genuíno nelas. Gates destaca a importância de fazer perguntas abertas, como “Como você...,” “Como é...,” “Conte-me sobre...” e “De que maneiras...”, que convidam as pessoas a compartilhar suas experiências de forma mais profunda.

Empatia

Ouvir é uma coisa, entender e se relacionar com as histórias dos outros é outra. Brooks descreve as pessoas como artistas criativos que moldam suas visões de mundo com base em suas experiências. “As pessoas precisam de reconhecimento dos outros para prosperar,” escreve ele.

Mostrar empatia pode ser difícil, então Brooks divide em três habilidades: espelhamento (capturar a emoção do outro), mentalização (ter uma teoria baseada em experiências passadas sobre o que o outro está sentindo) e cuidado. Na próxima vez que alguém falar com você, especialmente sobre um assunto sensível, espelhe o que estão dizendo para mostrar que você entende, usando frases como: “Então, o que estou ouvindo é...” ou, “Você está dizendo que...?” Em seguida, forneça algum insight e mostre que está lá para eles.

Sem perder nada

Brooks recomenda introspecção e autoconsciência. Estar muito preso ao seu ponto de vista pode dificultar a compreensão das perspectivas dos outros. Ele sugere perguntar a amigos, entes queridos e colegas como eles o veem para ajudar a identificar preconceitos e reprogramar a maneira como você aborda as pessoas.

“Pessoas tentando lidar com os legados adultos de suas feridas de infância precisam de amigos que as incitem a ver sua situação com precisão,” ele escreve. “Elas precisam de amigos que possam fornecer a visão externa delas, aquela que não podem ver de dentro.”

Esses insights de Brooks sobre curiosidade, empatia e autoconsciência podem ajudar a melhorar a qualidade das interações e fortalecer os relacionamentos.

Acompanhe tudo sobre:Bill GatesMicrosoftLivros

Mais de Carreira

Fora da curva: como esse profissional entrou no hype do mercado e conquistou salário de R$ 51 mil

Rage Applying: Conheça a tendência de desligamento que está crescendo com a Geração Z

RH Summit 2024: confira os destaques do maior evento de RH do Brasil

Saiba como desbloquear o potencial da sua empresa com o “novo mosaico da cultura organizacional”

Mais na Exame