Bússola
Acompanhe:
Um conteúdo Bússola

Você é um intraempreendedor? Ter boas ideias é questão de sobrevivência

Exemplos de como novas ideias podem transformar você em um milionário

Sony investiu em games a partir da ideia de um intraempreendedor (PXHere/Reprodução)

Sony investiu em games a partir da ideia de um intraempreendedor (PXHere/Reprodução)

R
Rodrigo Comegno*

24 de janeiro de 2023, 09h50

No final dos anos 1980, o membro júnior da equipe da Sony, Ken Kutaragi, conhecido por consertar tudo, criou um chip para tornar o Nintendo de sua filha mais poderoso e proporcionar uma melhor experiência de jogo.

Ele procurou seus chefes com a ideia de criar um novo console para a Sony, mas encontrou um obstáculo. A Sony simplesmente não fazia jogos, e muitos acreditavam que a indústria era apenas uma moda passageira.

Recusando-se a desistir, Kutaragi procurou o CEO da Sony, Norio Ohga. Cada vez mais ciente do valor da indústria de jogos, Ohga iniciou uma joint venture com a Nintendo. No entanto, a parceria não durou muito tempo. Mas a Sony decidiu desenvolver seu próprio console.

O PlayStation foi lançado em 1994 e vendeu mais de meio bilhão de unidades desde então. Aquele mero funcionário tornou-se presidente e CEO da Sony, e ninguém na empresa questiona mais a credibilidade da indústria de jogos.

Entretanto, essas boas ideias que saem da cabeça dos colaboradores de uma empresa é um movimento minoritário, já que isso acontece de maneira ainda tímida em algumas companhias.

De acordo com o GEM (Global Entrepreneurship Monitor), menos de 1% dos colaboradores atuam como intraempreendedores no país. Um número muito baixo comparado aos 8% de países como Reino Unido e Austrália.

Mas se as empresas quiserem continuar competitivas no mercado, vão precisar acelerar esse processo e colocar seus colaboradores também como protagonistas dos negócios.

Colaborador como empreendedor

Com a transformação digital acontecendo de maneira veloz, o debate sobre intraempreendedorismo ganhou urgência. Hoje, é indispensável que as organizações tenham pessoas que pensem “fora da caixa”, tragam ideias e tendências de negócios.

Esse processo permite que as empresas se antecipem aos concorrentes e as mudanças de comportamento dos consumidores. Por isso, é importante que as companhias incentivem esse movimento, deem espaço para seus colaboradores e os ouçam mais.

No entanto, vale destacar que não estamos falando de um concurso de ideias. As empresas esperam colaboradores que tragam propostas e que também coloquem a "mão na massa".

É preciso que esses profissionais tenham visão, façam pesquisa de mercado, olhem a concorrência e trabalhem muito para que a ideia saia do papel e vire um negócio.

Ao dar voz e oportunidade para que os funcionários participem de forma proativa em projetos internos, a empresa estimula o engajamento de seus colaboradores, proporcionando o sentimento de pertencimento e valorização, além de colocar as pessoas no centro do negócio, dando espaço para que se desenvolvam e busquem soluções para crescer junto com a companhia.

Ainda temos muitos desafios

Em 2023, as empresas precisam entender o potencial do intraempreendedorismo dentro de seus modelos de negócios. Esta é uma questão de sobrevivência. Entretanto, para que isso aconteça, precisamos ultrapassar os obstáculos que travam tais iniciativas.

Uma pesquisa inédita da ACE Cortex, empresa de tecnologia, mostrou que 64,7% estão familiarizados com o conceito como uma ferramenta importante para expandir a inovação dentro das organizações, mas somente 23,2% das empresas de fato praticam essa iniciativa como parte da estratégia do negócio.

Acontece que muitas companhias não sabem por onde começar ou como fazer com que seus colaboradores tenham uma rotina para "pensar fora da caixa" e nem métodos que estimulem esse movimento.

Para 31% dos entrevistados, a principal dificuldade é o pouco espaço dado para o tema dentro da estratégia da companhia. Além disso, ainda falta preparo dos funcionários para trabalhar com inovação — motivo principal para 17% dos entrevistados.

O que as empresas precisam ter em mente é que terão que começar de alguma forma. Ter mentorias é dar espaço para criação pode ser o início de tudo. Além disso, é necessário ter em mente que nem tudo dará certo. Haverá muitas falhas e insucessos.

Ainda assim, esse tipo de iniciativa é importante para criar uma cultura de inovação, uma vez que dá para fazer uso das ideias dos talentos internos.

É sempre bom lembrar que uma ideia, inclusive, pode mudar os rumos da organização e trazer muitos frutos.

*Rodrigo Comegno é head de Produtos do Pagou Fácil da Paschoalotto

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Glaucia Guarcello: 5 tendências e fontes de inovação para 2023

As 3 torneiras que podem levar você à criatividade

Em um mundo mais complexo, liderança precisa de foco e consciência