Bússola
Um conteúdo Bússola

Pra onde vão seus eletroeletrônicos depois de usados?

Indústria, consumidores e meio ambiente só têm a ganhar com o descarte correto de eletrônicos

A reciclagem vale também para os eletrodomésticos (iStock/Thinkstock)

A reciclagem vale também para os eletrodomésticos (iStock/Thinkstock)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 30 de maio de 2023 às 16h30.

Última atualização em 31 de maio de 2023 às 11h35.

Por Thiago César*

A crescente quantidade de resíduos eletrônicos está criando sérios problemas ambientais, e para que as soluções sustentáveis para o gerenciamento de resíduos eletrônicos sejam eficazes, é necessário que os consumidores estejam cientes da importância de descartar seus dispositivos de maneira correta. Um levantamento encomendado pela Samsung à MindMiners e divulgado em novembro de 2022, mostra que 94% dos brasileiros consideram importante o hábito da reciclagem, e 62% que já incorporaram o hábito da separação de lixo também destinam corretamente para a reciclagem os produtos eletroeletrônicos.

Entretanto, apenas 3% do lixo eletrônico produzido na América Latina é descartado corretamente – o restante, 97%, não é monitorado, segundo dados recentes da Organização das Nações Unidas (ONU). O Brasil é o quinto maior produtor mundial de lixo eletrônico. Nesse cenário, o lançamento do programa de logística reversa Samsung Eco Troca, no início de 2023, é mais um dos esforços de um dos líderes da indústria para divulgar e incentivar uma iniciativa de extrema importância que visa diminuir os impactos do descarte incorreto de eletrônicos no meio-ambiente e promover a economia circular.

Na prática, o programa Samsung Eco Troca dá ao consumidor a possibilidade de trocar seu equipamento – TVs, eletrodomésticos, monitores e modelos de ar condicionado de qualquer marca e em qualquer condição – por um cupom de desconto na compra de um novo produto da marca.  Como suporte a essa iniciativa, uma campanha especial com dois vídeos (uma versão de 60 e outra, mais curta, com 30 segundos) está sendo veiculada nos canais digitais da Samsung, além da divulgação na TV paga, e oferece as informações sobre como o consumidor pode descartar seus produtos de forma rápida, fácil e segura.

E as vantagens da destinação correta dos eletrônicos vão além do ganho individual: geladeiras, TVs e vários outros produtos antigos podem ser muito úteis à indústria, mesmo que não funcionem mais. Partes que compõem o produto podem ser reutilizadas na fabricação de outras peças e componentes. A reciclagem, portanto, permite manter os insumos em constante utilização com a reinserção de componentes na cadeia produtiva. O descarte incorreto de equipamentos gera uma chance real de comprometimento à segurança dos dados dos usuários, como acessos a aplicativos e senhas salvas no sistema operacional, já que não há como saber sua destinação final.

A implementação eficiente da logística reversa e o descarte correto de eletrônicos representam um passo fundamental para garantir um avanço nas iniciativas de sustentabilidade no Brasil. Com a conscientização crescente sobre os impactos negativos do descarte inadequado, as empresas e os consumidores adotarão cada vez mais práticas responsáveis para mitigar os danos ao meio ambiente. Com esforços contínuos, a indústria brasileira pode explorar seu imenso potencial para se tornar um modelo a ser seguido.

*Thiago César é diretor de marketing da Divisão de Consumer Electronics da Samsung Brasil.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Zul+ lança funcionalidade que indica estações de recarga para carros elétricos

Vini Jr.: o texto que dá vergonha de ter escrito

Missão da CNI na Alemanha deve movimentar mais de R$ 265 milhões em 2023

Acompanhe tudo sobre:ReciclagemSustentabilidadeCigarros eletrônicos

Mais de Bússola

Bússola Poder: não existe ministro da Fazenda fraco

Por que texto do Projeto de Lei que regulamenta a Inteligência Artificial precisa de ajustes? 

FII Priority Summit discute desenvolvimento sustentável do Brasil e da América Latina

Internet e redes sociais continuam a dominar como principais fontes de informação dos parlamentares

Mais na Exame