Acompanhe:

Déficit de atenção, dislexia, ansiedade generalizada. Gabryelle Silva, de 21 anos, passou por todos esses diagnósticos antes de chegar ao correto: transtorno do espectro autista. Foi apenas no ano passado, quando já tinha 20 anos, que finalmente teve acesso a uma bateria de exames comportamentais com um neuropsicólogo. “Foi libertador entender quem eu sou”, disse ela.

Gabryelle e outros seis colegas autistas fazem parte do primeiro grupo de neurodivergentes trabalhando na Águas do Rio, concessionária responsável pelos serviços de água e esgoto em 27 municípios, incluindo grande parte da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Com um programa forte de inclusão e diversidade, a concessionária iniciou uma parceria com uma empresa especializada em procurar vagas e treinar pessoas autistas para o mercado de trabalho.  

Junto com a busca ativa por currículos neurodivergentes, a empresa também fez um trabalho de preparação, incluindo na sua rotina uma série de reuniões, encontros e lives com gestores e funcionários sobre como receber pessoas autistas no local de trabalho. Os concorrentes das vagas também fizeram uma série de visitas à sede da Águas do Rio para adaptação ao barulho e à luz do local.

Em todo esse trabalho, o maior deles foi o de fazer reduzir o “excesso de zelo” por parte da equipe que receberia os novos contratados. São questões como ter receio de falar a palavra “autista” na frente de um autista ou ter medo de perguntar algo sobre o transtorno. É a proximidade que destrói essas barreiras e inclui talentos no mercado de trabalho.

Para quem tem dúvidas sobre como receber bem pessoas autistas no ambiente de trabalho, aqui vão oito dicas feitas pelos próprios funcionários contratados pela Águas do Rio:

𝟏. A palavra autista não é tabu 

Está tudo bem falar na nossa frente.

𝟐.  Cuidado com o toque 

É importante perguntar se estamos confortáveis com abraços e outros tipos de contato físico, já que alguns de nós podem ser sensíveis a isso.

𝟑. Comunique-se de forma direta 

Instruções claras são essenciais para todos, mas para nós são vitais.

𝟒. Inclua em conversas em grupo 

Às vezes temos dificuldade em saber quando é apropriado falar em uma reunião, e é ótimo quando nos perguntam de forma direta o que temos para contribuir sobre o tema debatido.

𝟓. Antecipe tarefas ou eventos 

Mudanças repentinas podem ser desafiadoras. Portanto, sempre que possível, avise com antecedência sobre o que precisa ser feito.

𝟔. Crie espaços silenciosos 

Ter um local tranquilo disponível na empresa pode nos ajudar na concentração.

𝟕. Entenda as diferenças de comunicação 

O nosso jeito direto de falar ou a falta de contato visual não significam grosseria. Para muitos autistas, é apenas a forma natural de se expressar.

𝟖. Convide para o happy hour 

A gente também quer participar dos momentos de descontração!

 

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Síndrome do Avestruz: por que evitar os problemas do trabalho pode ser perigoso para sua carreira
seloCarreira

Síndrome do Avestruz: por que evitar os problemas do trabalho pode ser perigoso para sua carreira

Há uma semana

Veja 3 frases que são usadas no trabalho por um CEO na Finlândia, o país mais feliz do mundo
seloCarreira

Veja 3 frases que são usadas no trabalho por um CEO na Finlândia, o país mais feliz do mundo

Há uma semana

Veja 7 dicas para alavancar sua marca na internet sem abalar a saúde mental
seloCarreira

Veja 7 dicas para alavancar sua marca na internet sem abalar a saúde mental

Há uma semana

Banheiro multigênero, beach tênis, PLR turbinado: as apostas da Porto para manter seus funcionários
seloCarreira

Banheiro multigênero, beach tênis, PLR turbinado: as apostas da Porto para manter seus funcionários

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais