Um conteúdo Bússola

Falta de educação financeira aumenta desigualdade em era de instabilidade

Nos últimos anos, o cartão de crédito se consolidou como o tipo de dívida mais comum entre os brasileiros
Escolas precisam entender a importância da educação financeira (Nora Carol Photography/Getty Images)
Escolas precisam entender a importância da educação financeira (Nora Carol Photography/Getty Images)
L
Leonardo Grapeia*Publicado em 15/07/2022 às 20:20.

Não é novidade para ninguém que o Brasil é um país de desigualdades sociais, econômicas e financeiras. Parte considerável da população está desempregada e outra parcela atua na informalidade, condições que, por vezes, levam os cidadãos a tomarem empréstimos com juros exorbitantes ou a entrarem em dívidas que os tornam inadimplentes.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), temos atualmente a inflação em ascensão (4,29% nos primeiros quatro meses de 2022) e o desemprego alto (10,5% de desempregados no Brasil), além das taxas de juros básicas (Selic) em dois dígitos (13,75%). Esses três fatores combinados levam a uma corrosão no poder de compra do consumidor, na capacidade de honrar dívidas, na instabilidade das finanças pessoais e na necessidade de fontes de crédito de custo mais alto.

De acordo com dados da Serasa Experian, a inadimplência também bateu novo recorde no Brasil: em abril, mais de 66 milhões de brasileiros estavam com o nome no vermelho, o maior número da série histórica iniciada em 2016. Deste número, mais de 2 milhões de brasileiros se tornaram inadimplentes em 2022.

Com relação ao perfil das dívidas, os segmentos de Bancos e Cartões possuem 28,1% dos débitos, enquanto contas básicas como água, luz e gás representam 22,9%. Na comparação com abril de 2021, o setor de Financeiras foi o que teve maior aumento na participação de inadimplência, indo de 9,6% para 12,4%. Dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) apontam que o endividamento com cartão de crédito atingiu nível recorde entre famílias com maior renda.

Nos últimos anos, o cartão de crédito se consolidou como o tipo de dívida mais comum entre os brasileiros. E aí que mora um grande perigo. O uso dessa modalidade deve ser feito somente quando o consumidor tiver renda para efetuar o pagamento da fatura no vencimento. Além disso, deve-se evitar o pagamento mínimo do cartão, pois as taxas de juros cobradas podem chegar a 371% ao ano, segundo dados da Pesquisa Anefac, e jamais deve-se utilizar o limite do cheque especial como forma de crédito (taxas de 150% ao ano, segundo o mesmo levantamento). O problema é que grande parte da população não tem acesso a esse tipo de informação.

No Brasil, ensino religioso e química orgânica fazem parte do currículo escolar obrigatório, mas as finanças básicas, por exemplo, não. Juros e porcentagem são distantes para a maioria dos brasileiros. Por conta da ignorância financeira perpetuada em nosso país, é fácil compreender como tanta gente assume dívidas impagáveis, comprometendo seu futuro financeiro. A maioria ignora o efeito brutal dos juros compostos, presentes nas dívidas do cartão de crédito e do cheque especial, por exemplo. Endividados pouco se atentam às decisões políticas que os afetam, uma vez que sua atenção está voltada aos inúmeros boletos e contas acumuladas.

Vale reforçar que a tomada de crédito tem que ser uma solução e não a ampliação de um eventual problema financeiro. Uma alternativa para estancar a bola de neve que se cria é buscar negociações com cada operadora ou em alguns casos acessar empréstimos pessoais, com juros mais baixos, para o pagamento das dívidas dos cartões. No entanto, a minimização desses riscos passa pelo consumo consciente como parte fundamental de uma boa educação financeira, especialmente em função da relação entre o consumo e a perda de controle das finanças pessoais.

O consumo por impulso leva a uma necessidade de fontes de crédito de custo mais alto, como cheque especial e cartão de crédito e a um nível de comprometimento de renda acima do que é considerado saudável no mercado brasileiro. O consumo consciente e a educação financeira nunca foram tão importantes para o brasileiro da vida real.

*Leonardo Grapeia é CEO da Focus Financeira

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Além da aula online: como a tecnologia pode impactar o processo educacional

Pensamento computacional é disciplina indispensável na educação

Empreender em educação exige compromisso, diz Duda Falcão, da Eleva