Acompanhe:

“O Brasil está em uma trajetória brilhante”, afirma Simon Cook, CEO do Cannes Lions, maior festival internacional de criatividade do mundo. Na edição de 2023, a indústria nacional recebeu 92 Leões, incluindo um Titanium, dois Grand Prix e 11 de Ouro. Na última segunda-feira, 9, o executivo veio a São Paulo para uma palestra exclusiva. 

O evento foi organizado pelo grupo Estadão, representante oficial do festival há 23 anos. Nele, Cook realizou o tradicional “Cannes Lions Official Digest”, uma apresentação na qual detalha as principais tendências, temas e previsões para o futuro da comunicação

Para os convidados, o palestrante falou sobre cinco pontos para impulsionar a construção de marcas, obtidos a partir da análise extensiva de todos os conteúdos da 70ª edição do evento realizada pela LIONS em conjunto com a WARC, parceira especializada em análise de dados. 

5 pontos para impulsionar a construção de marcas:

  • Redefinindo Impacto: aspecto que se refere ao entendimento da diferença de resultados imediatos e impacto a longo prazo;
  • Diferencial:  "Você precisa fazer o que os outros não fazem", Cook disse ao se referir ao exercício de pensar na contramão das tendências, gerando ideias inovadoras;
  • Jogadas Práticas: ponto que se refere a brincadeiras, a se aproveitar de brechas e a formas criativas de colocar sua marca nos holofotes. Neste, ele deu um exemplo de uma ação da Volkswagen, que colocou anúncios de procura de profissionais em carros quebrados, destinados à garagens de competidores;
  • Destreza em Dados: sobre o uso de dados de maneira criativa, com foco no uso deles para a contação de histórias;
  • Entretenimento em Evolução: por fim, Cook falou sobre a utilização do storytelling não só em campanhas de branding, mas também em produtos. A ideia é procurar por histórias e criar a mesma conexão que é criada em campanhas de marca. Ele também falou sobre o humor nas estratégias com o consumidor, e revelou dados que apontam que 90% da audiência tem maior chance de clicar em um anúncio, se ele for engraçado.

Capacitação em inteligência artificial

Cook também reconheceu um dos assuntos mais discutidos na atualidade. Segundo ele, a inteligência artificial pode ser utilizada em várias áreas e tem muito potencial, contanto que tenha a criatividade humana sob seu controle. 

“Nós não devemos utilizar IA para criar coisas medianas. Quem gostaria de se especializar em mediocridade? Quanto mais utilizamos IA, mais arriscamos a criação de trabalhos medianos. É uma jornada rápida até o fundo do poço.”, recomendou ele. “Por isso a direção humana é tão importante. Só nós podemos decidir o que é bom e o que não é”, completa.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Qual é a relação da publicidade digital com ESG?

Marcelo Lacerda: o brasileiro que aposta na invenção de um novo ser humano

De Minas para a Universidade de Oxford, na Inglaterra

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
 Bússola Poder: um problema de fé na política 
Bússola

 Bússola Poder: um problema de fé na política 

Há 2 dias

Como startup que automatiza rotina fiscal de empresas projeta faturar mais de R$ 28 milhões em 2024
Bússola

Como startup que automatiza rotina fiscal de empresas projeta faturar mais de R$ 28 milhões em 2024

Há 2 dias

Bússola Cultural: encontro literário com Tiago Nhandewa, escritor e pesquisador indígena
Bússola

Bússola Cultural: encontro literário com Tiago Nhandewa, escritor e pesquisador indígena

Há 2 dias

Por que podemos estar diante de uma mudança no mercado de empresas de benefícios a funcionários
Bússola

Por que podemos estar diante de uma mudança no mercado de empresas de benefícios a funcionários

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais