Acompanhe:

3 passos para aumentar o bem-estar e fortalecer mulheres no mercado de trabalho

Cuidados com a saúde geram retornos positivos para todos, e a tecnologia pode ajudar a monitorar, cada vez mais de perto, a qualidade de vida da companhia

Modo escuro

Continua após a publicidade
Cuidados com a saúde geram retornos positivos para todos, e a tecnologia pode ajudar a monitorar, cada vez mais de perto, a qualidade de vida da companhia (Thomas Barwick/Getty Images)

Cuidados com a saúde geram retornos positivos para todos, e a tecnologia pode ajudar a monitorar, cada vez mais de perto, a qualidade de vida da companhia (Thomas Barwick/Getty Images)

P
Priscila Siqueira*

Publicado em 8 de março de 2021 às, 17h23.

Em março, nós mulheres ganhamos visibilidade. O termo empoderamento feminino atinge seu pico de popularidade no Google Trends. Nos demais meses, a procura pela expressão não chega sequer à metade.

Uma pesquisa realizada em 2019 pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), com 13.000 organizações de 70 países, mostrou que 60% das empresas aumentaram sua lucratividade em até 20% graças ao trabalho de mulheres em cargos de gestão, além de terem conseguido aprimorar indicadores como criatividade, desempenho e captação de novos talentos, fatores-chave para alavancar o negócio.

De fato, o Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março, é uma oportunidade para que áreas estratégicas das empresas, como Recursos Humanos ou as próprias direções gerais, reflitam e estabeleçam ações de alto impacto para fortalecer o bem-estar e o crescimento das mulheres no ambiente corporativo.

Pensando nisso, listei três passos que poderão ajudar as empresas nessa jornada:

          1- O bem-estar direcionado deve fazer parte da agenda

Uma pesquisa da Deloitte, feita com quase 400 mulheres em todo o mundo, mostrou que 82% delas apresentam impactos adversos em decorrência da mudança de rotina, inclusive em seu bem-estar físico, e incapacidade de conciliar trabalho e compromissos pessoais. Nesse mesmo estudo, 45% das mulheres consideram que as empresas devem promover programas de saúde mental, enquanto 44% consideram necessário ter planos de saúde física.

A tendência é que as empresas interessadas nessa agenda de bem-estar privilegiem a flexibilidade e a personalização, pois assim como o trabalho pode ser feito à distância, as opções de cuidados com a saúde também podem seguir esse caminho.

Basta que a empresa mantenha isso entre suas prioridades.

No fim, fazer com que as mulheres tenham um sentimento de pertencimento por algo relacionado ao ambiente em que trabalham só trará retornos positivos para todo mundo.

          2- Desafie o "sempre fizemos assim"

O home office, a integração de computadores remotos, a adaptação a plataformas tecnológicas e os modelos híbridos são apenas alguns dos exemplos que já fazem parte do nosso dia a dia e que nos mostram que, quando queremos, mesmo que não seja fácil, conseguimos nos adaptar rapidamente a uma determinada situação, deixando para trás a ideia do “sempre fizemos assim”.

Inovação e crescimento já são o foco de muitas empresas. E a capacidade de inovar de uma empresa está diretamente ligada a quanto essa organização consegue ser diversa em suas múltiplas vertentes, incluindo o equilíbrio de gênero em cargos de liderança.

Um estudo do Boston Consulting Group apontou que as mulheres possuem uma visão mais holística sobre a companhia, resultando assim em um retorno maior a longo prazo. Em complemento a isso, uma outra pesquisa, agora da McKinsey, revelou que as empresas lideradas por mulheres têm, em média, 15% a mais de lucros porque elas são mais atentas aos detalhes.

          3- Monitore continuamente o ambiente de trabalho

Os Recursos Humanos desempenham um papel fundamental no novo ambiente de trabalho das empresas ao fornecer parâmetros, processos e iniciativas que desencadeiam ambientes de trabalho mais saudáveis, igualitários, respeitosos e harmoniosos.

Felizmente, eles têm vários aliados e tecnologias que podem ser adotadas para fortalecer um ambiente melhor, como aumentar a frequência de envio de pesquisas de pulso e questionários para obter informações sobre saúde, bem-estar, pontos positivos e negativos.

Além de fornecer dados sobre aspectos como o ambiente de trabalho e a comunicação, o monitoramento ainda permite uma transformação positiva e contínua do ambiente, valorizando cada vez mais as minorias dentro das organizações.

* Priscila Siqueira é CEO Brasil do Gympass

Assine os Boletins da Bússola

Siga Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter  |   Facebook   |  Youtube

Mais da Bússola:

Últimas Notícias

Ver mais
Como elas conseguiram vender suas empresas para Arezzo, Hypera e Magalu?
seloCarreira

Como elas conseguiram vender suas empresas para Arezzo, Hypera e Magalu?

Há 3 dias

Educação Inclusiva: apenas 16% das empresas têm programas para grupos minorizados, diz estudo
seloCarreira

Educação Inclusiva: apenas 16% das empresas têm programas para grupos minorizados, diz estudo

Há 3 dias

ESG: como conseguir o selo Pró-Equidade de Gênero e Raça para sua empresa
Um conteúdo Bússola

ESG: como conseguir o selo Pró-Equidade de Gênero e Raça para sua empresa

Há 5 dias

Senado aprova plano para combate integrado à violência contra a mulher
Brasil

Senado aprova plano para combate integrado à violência contra a mulher

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais