Brasil

Vítimas da tragédia em Brumadinho autorizam repasse de R$ 2,2 milhões ao RS

Recursos são de fundo criado para indenizar famílias afetadas

Chuvas no RS: vítimas de Brumadinho auxiliam com doação milionária (Carlos FABAL/AFP)

Chuvas no RS: vítimas de Brumadinho auxiliam com doação milionária (Carlos FABAL/AFP)

Agência Brasil
Agência Brasil

Agência de notícias

Publicado em 14 de maio de 2024 às 08h42.

Tudo sobreEnchentes no RS
Saiba mais

Parte dos recursos pagos pela mineradora Vale (VALE3) a título de indenização pelo dano moral coletivo gerado na tragédia em Brumadinho será destinado ao Rio Grande do Sul. As vítimas do rompimento da barragem, ocorrido em janeiro de 2019, aprovaram a ajuda ao estado, que lida com inundações recordes decorrente de um grande volume de chuvas. Já foram confirmadas 147 mortes nas cidades gaúchas.

Ao todo, serão destinados R$ 2,2 milhões. A decisão foi anunciada nessa segunda-feira (13) nas redes sociais da Associação dos Familiares de Vítimas e Atingidos pelo Rompimento da Barragem da Mina Córrego do Feijão (Avabrum).

Do total, R$ 2 milhões serão repartidos entre o governo gaúcho e o Fundo de Reconstituição de Bens Lesados, sob gestão do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS). Os R$ 200 mil restantes serão doados para a Associação dos Familiares e Sobreviventes da Boate Kiss em Santa Maria (AVSTM), entidade que também está arrecadando fundos para ajudar as vítimas do desastre climático.

Os recursos são provenientes de fundo criado a partir de um acordo para indenizar parentes dos trabalhadores mortos na tragédia em Brumadinho. Foram perdidas 272 vidas, incluindo os bebês de duas mulheres que estavam grávidas. A maioria das vítimas era de empregados da Vale ou de empresas que prestavam serviço à mineradora.

O acordo que incluiu a criação do fundo também definiu os valores para as indenizações individuais aos pais, cônjuges ou companheiros e filhos do mortos. Com isso, foi encerrada uma ação movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) logo após a tragédia.

Para o fundo, a Vale precisou destinar R$ 400 milhões. A movimentação do dinheiro depende de aval de um conselho gestor, composto por representantes da Avabrum, do MPT, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MG) e da Defensoria Pública da União.

Boa parte do valor teve destinação para projetos de preservação da vida, nas áreas de saúde e de segurança alimentar. Os recursos já beneficiaram, por exemplo, hospitais, casas de saúde e instituições de pesquisa com a realização de reformas, financiamento de estudos, ampliação de leitos e aquisição de equipamentos. Também já foram liberados montantes para ações de qualificação de trabalhadores e geração de emprego e renda; proteção de indígenas, idosos e crianças; educação e preservação da memória.

Acompanhe tudo sobre:Brumadinho (MG)Enchentes no RSChuvasRio Grande do Sul

Mais de Brasil

Brasil caminha para ser a sexta economia do mundo até fim do mandato, diz Lula

PF indicia Juscelino Filho, ministro das Comunicações, em caso de suposto desvio de emendas

USP fica atrás de universidades do México em ranking de sustentabilidade

Câmara aprova urgência para votar mudança no regimento para suspender quem brigar em comissões

Mais na Exame