Brasil

Vacina da gripe 2023 RJ: quem pode tomar? Veja calendário de vacinação

Campanha começa hoje, 10, com prazo final para vacinação no dia 31 de maio

Mulher é vacinada durante o dia D da Campanha Nacional de Vacinação contra Gripe (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Mulher é vacinada durante o dia D da Campanha Nacional de Vacinação contra Gripe (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 10 de abril de 2023 às 15h26.

A partir desta segunda-feira, 10, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) inicia a vacinação contra a gripe no Rio de Janeiro. A previsão é concluir o calendário até o dia 31 de maio, com etapa única para o público-alvo. A meta da administração municipal é alcançar uma cobertura vacinal de 90% do público-alvo -- aproximadamente duas milhões de pessoas.

No município do Rio, as 237 unidades de Atenção Primária (clínicas da família e centros municipais de saúde) aplicarão as doses de vacina contra gripe de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, e aos sábados, das 8h às 12h. Além disso, o Super Centro Carioca de Vacinação, em Botafogo, será mais uma unidade de referência e funcionará em horário especial, de domingo a domingo, das 8h às 22h.

A campanha de vacinação contra a Influenza prevê ainda um dia D de mobilização pela vacinação para o dia 6 de maio.

Quem pode tomar a vacina contra a gripe?

Podem tomar a vacina todas as pessoas que estão nos grupos considerados de risco:

  • Pessoas com mais de 60 anos;
  • Adolescentes em medidas socioeducativas;
  • Caminhoneiros e caminhoneiras;
  • Crianças de 6 meses a 5 anos (completos);
  • Forças Armadas;
  • Forças de Segurança e Salvamento;
  • Gestantes e puérperas;
  • Pessoas com deficiência;
  • Pessoas com comorbidades;
  • População privada de liberdade;
  • Povos indígenas, ribeirinhos e quilombolas;
  • Professoras e professores;
  • Profissionais de transporte coletivo;
  • Profissionais portuários;
  • Profissionais do Sistema de Privação de Liberdade;
  • Trabalhadoras e trabalhadores da saúde.

Onde tomar a vacina contra a gripe no RJ?

O imunizante estará disponível nas 237 unidades de Atenção Primária (clínicas da família e centros municipais de saúde), de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, e aos sábados, das 8h às 12h.

No Super Centro Carioca de Vacinação, localizado na Rua General Severiano, 190, no bairro Botafogo, o funcionamento será todos os dias, das 8h às 22h.

No site da Prefeitura do Rio, é possível localizar através de um mapa interativo todas as unidades disponíveis para vacinação em “Onde ser atendido?”.

Qual documento levar para tomar a vacina contra gripe?

Para tomar a vacina contra gripe, é necessário comparecer aos postos de saúde portando documento de identificação e caderneta de vacinação. Será preciso apresentar ainda um comprovante da classificação como grupo prioritário, como laudo médico, documento funcional para os grupos profissionais atendidos, entre outros.

Quem está gripado pode tomar vacina da gripe?

Em relação às doenças respiratórias febris, qualquer vacina é contraindicada. A melhor opção é adiar em 24 horas ou 48 horas sem febre. Essa regra vale para qualquer vacina: gripe, covid, pneumonia etc.

Se o paciente apresentar somente resfriado com coriza e tosse, não existe contraindicação.

Qual é a vacina aplicada?

A vacina contra a gripe oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é do tipo trivalente e protege contra duas cepas do vírus influenza A e uma do influenza B. Há disponível no Brasil o imunizante quadrivalente, que protege contra quatro variantes. Essa versão da vacina é disponível apenas no mercado privado.

A vacina da gripe protege contra H3N2?

De acordo com nota técnica do Ministério da Saúde, a vacina aplicada em 2023 contém variações do vírus influenza A, sendo presentes as variantes Sydney (H1N1), e a Darwin (H3N2). Há ainda uma variante do vírus B chamada Áustria (linhagem B/Victoria).

Já me vacinei ano passado, preciso me vacinar de novo?

De acordo com a Sociedade Brasileira de Imunizações, a vacinação contra a gripe é anual por dois motivos. "O primeiro é que a proteção conferida pela vacina cai progressivamente seis meses depois da aplicação. O segundo é a variação dos subtipos de influenza circulantes a cada ano. Como eles mudam com frequência, mesmo que o efeito da vacina durasse mais tempo, ela poderia não proteger contra os vírus do inverno seguinte".

Qual a reação da vacina da gripe?

Toda e qualquer vacina pode gerar algum efeito colateral e não há necessidade de se preocupar, apontam médicos e cientistas. Os mais comuns são reações no local da aplicação. Em casos mais raros, há dor de cabeça, febre e fadiga, mas os sintomas passam em até 48 horas.

A recomendação dos médicos é para que, caso os sintomas sejam muito fortes, use medicamentos para controlar a febre e as dores. O uso de anti-inflamatório é desaconselhado porque pode atrapalhar a resposta do corpo ao processo inflamatório natural na criação de anticorpos contra a gripe.

Pode tomar a vacina contra a gripe e contra a covid-19 juntas?

Segundo médicos, especialistas e norma do Ministério da Saúde, as duas vacinas podem ser aplicadas no mesmo dia. A exceção é para o imunizante contra o coronavírus em crianças até 11 anos. Nesses casos, a recomendação é ter um intervalo de 15 dias.

Qual o calendário de vacinação contra a covid-19?

O Ministério da Saúde começou, no dia 27 de fevereiro, uma nova campanha de vacinação contra a covid-19. Para esta fase são convocados brasileiros em grupos de risco -- idosos e imunossuprimido (veja todos os grupos). Eles recebem no braço uma dose do imunizante bivalente da Pfizer que protege contra o vírus original do SARS-CoV-2 e as últimas variantes, como a Ômicron, altamente transmissível.

Veja também:

Acompanhe tudo sobre:Gripesvacina contra coronavírusVacinas

Mais de Brasil

Censo 2022: Brasil tem 106,8 milhões de endereços, um aumento de 19,5% em relação ao Censo anterior

Um em cada oito endereços do Brasil fica dentro de condomínios, indica Censo

Censo: quase um quarto dos endereços do Brasil não tem número; confira o ranking por estado

Dos 33 deputados favoráveis ao PL que equipara aborto a homicídio, 11 são mulheres

Mais na Exame