Brasil

Vacinação contra a gripe começa em SP. Quem pode tomar e qual o calendário?

A previsão é concluir a vacinação até o dia 31 de maio, e atingir a meta de 90% de cobertura. Em 2022, a cidade de São Paulo conseguir vacinar apenas 55%

Vacinação contra a gripe: meta é atingir 90% do grupo prioritário. (Leandro Fonseca/Exame)

Vacinação contra a gripe: meta é atingir 90% do grupo prioritário. (Leandro Fonseca/Exame)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 10 de abril de 2023 às 06h11.

A partir desta segunda-feira, 10, começa a vacinação contra a gripe na cidade de São Paulo. De acordo com a prefeitura da capital paulista, 1.489.000 de doses serão aplicadas em duas etapas, voltadas somente para grupos prioritários (veja o calendário abaixo). O restante da população tem a opção de se vacinar pela rede privada, que já tem o imunizante disponível.

A previsão é concluir a vacinação até o dia 31 de maio, e atingir a meta de 90% de cobertura. Em 2022, a cidade de São Paulo conseguir vacinar apenas 55% do total do grupo prioritário, segundo dados do Ministério da Saúde. A campanha foi estendida por diversas vezes, mas sem sucesso. Para não perder as doses, por conta da validade, o governo municipal chegou a abrir a aplicação para todas as pessoas.

Quem pode tomar a vacina contra a gripe no SUS

Podem tomar a vacina, gratuitamente, pelo Sistema Único de Saúde (SUS) todas as pessoas que estão nos grupos considerados de risco:

  • Pessoas com mais de 60 anos;
  • Adolescentes em medidas socioeducativas;
  • Caminhoneiros e caminhoneiras;
  • Crianças de 6 meses a 5 anos (completos);
  • Forças Armadas;
  • Forças de Segurança e Salvamento;
  • Gestantes e puérperas;
  • Pessoas com deficiência;
  • Pessoas com comorbidades;
  • População privada de liberdade;
  • Povos indígenas, ribeirinhos e quilombolas;
  • Professoras e professores;
  • Profissionais de transporte coletivo;
  • Profissionais portuários;
  • Profissionais do Sistema de Privação de Liberdade;
  • Trabalhadoras e trabalhadores da saúde.

Qual o calendário de vacinação em SP?

Início no dia 10 de abril

  • Pessoa idosa (com 60 anos ou mais)
  • Crianças (com 6 meses a menores de 6 anos)
  • Gestantes
  • Pessoas em período do puerpério (até 45 dias após o parto)
  • Pessoa com imunossupressão
  • Povos indígenas

Início em 17 de abril

  • Profissionais da Saúde
  • Profissionais da educação
  • Pessoas com deficiência permanente
  • Pessoa com comorbidade
  • Profissionais de transporte coletivo rodoviários de passageiros urbano e de longo curso.
  • Profissionais portuários
  • Profissionais das forças se segurança e salvamento
  • Profissionais das forças armadas
  • Profissionais do sistema prisional
  • População privada de liberdade e adolescentes em medidas socioeducativas

Onde tomar a vacina contra a gripe em SP

O imunizante está disponível em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs), com funcionamento de segunda-feira a sexta-feira, das 7h às 19h, e em AMAs/UBS Integradas, que atendem das 7h às 19h, inclusive aos sábados e feriados.

469 Unidades Básicas de Saúde (UBS) 
Funcionamento: de segunda a sexta-feira.
Horário: das 7h às 19h.
Veja aqui a lista com os endereços das unidades básicas de saúde (UBS)
Os endereços das UBS também podem ser acessados pela ferramenta Busca Saúde.

AMA/UBS Integradas
Funcionamento: 7h às 19h, inclusive aos sábados e feriados.
Veja aqui a lista com os endereços das AMA/UBS Integradas

Qual é a vacina aplicada no SUS

A vacina contra a gripe oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é do tipo trivalente e protege contra duas cepas do vírus influenza A e uma do influenza B. Há disponível no Brasil o imunizante quadrivalente, que protege contra quatro variantes. Essa versão da vacina é disponível apenas no mercado privado.

A vacina da gripe protege contra H3N2?

De acordo com nota técnica do Ministério da Saúde, a vacina aplicada em 2023 contém variações do vírus influenza A, sendo presentes as variantes Sydney (H1N1), e a Darwin (H3N2). Há ainda uma variante do vírus B chamada Áustria (linhagem B/Victoria).

Já me vacinei ano passado, preciso me vacinar de novo?

De acordo com a Sociedade Brasileira de Imunizações, a vacinação contra a gripe é anual por dois motivos. "O primeiro é que a proteção conferida pela vacina cai progressivamente seis meses depois da aplicação. O segundo é a variação dos subtipos de influenza circulantes a cada ano. Como eles mudam com frequência, mesmo que o efeito da vacina durasse mais tempo, ela poderia não proteger contra os vírus do inverno seguinte".

A vacina contra a gripe tem efeitos colaterais?

Toda e qualquer vacina pode gerar algum efeito colateral e não há necessidade de se preocupar, apontam médicos e cientistas. Os mais comuns são reações no local da aplicação. Em casos mais raros, há dor de cabeça, febre e fadiga, mas os sintomas passam em até 48 horas.

A recomendação dos médicos é para que, caso os sintomas sejam muito fortes, use medicamentos para controlar a febre e as dores. O uso de anti-inflamatório é desaconselhado porque pode atrapalhar a resposta do corpo ao processo inflamatório natural na criação de anticorpos contra a gripe.

Pode tomar a vacina contra a gripe e contra a covid-19 juntas?

Segundo médicos, especialistas e norma do Ministério da Saúde, as duas vacinas podem ser aplicadas no mesmo dia. A exceção é para o imunizante contra o coronavírus em crianças até 11 anos. Nesses casos, a recomendação é ter um intervalo de 15 dias.

Qual o calendário de vacinação contra a covid-19?

O Ministério da Saúde começou, no dia 27 de fevereiro, uma nova campanha de vacinação contra a covid-19. Para esta fase são convocados brasileiros em grupos de risco -- idosos e imunossuprimido (veja todos os grupos). Eles recebem no braço uma dose do imunizante bivalente da Pfizer que protege contra o vírus original do SARS-CoV-2 e as últimas variantes, como a Ômicron, altamente transmissível.

Acompanhe tudo sobre:GripesVacinasvacina contra coronavírus

Mais de Brasil

Quem é Mello Araújo, anunciado como vice de Nunes em São Paulo

Lula anuncia R$ 194 milhões para construção de 1,3 mil casas no Piauí

Justiça Federal homologa acordo para preservação da Cinemateca

Nunes e Tarcísio confirmam ex-chefe da Rota indicado por Bolsonaro como vice

Mais na Exame