Brasil

Teste de biometria das urnas será realizado em 56 urnas de 19 estados e DF

O critério para escolha dos estados foram condições "técnicas" e "logísticas", disse Moraes

A resolução que reformula o teste de integridade foi aprovada pelo TSE na última terça-feira, 13 (EVARISTO/Getty Images)

A resolução que reformula o teste de integridade foi aprovada pelo TSE na última terça-feira, 13 (EVARISTO/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 15 de setembro de 2022 às 13h15.

Última atualização em 15 de setembro de 2022 às 13h24.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, anunciou nesta quinta-feira, 15, que o projeto piloto do teste de integridade de biometria será realizado em 56 urnas eletrônicas localizadas em 19 unidades da federação. O critério para escolha dos estados foram condições "técnicas" e "logísticas", disse Moraes. O anúncio foi feito durante a simulação realizada nesta quinta no tribunal.

O teste reformulado será aplicado em seções eleitorais do DF e dos seguintes estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Amazonas, Paraná, Rondônia, Santa Catarina e Tocantins.

A resolução que reformula o teste de integridade foi aprovada pelo TSE na última terça-feira, 13. Embora o teste de integridade já venha sendo feito desde as eleições de 2002, neste ano a novidade será sua realização com biometria, em local próximo às seções eleitorais. O objetivo da alteração é "tentar aproximar ainda mais o teste de integridade de todo o procedimento que acontece durante a sessão eleitoral".

A reformulação era uma das principais sugestões dos militares para o aperfeiçoamento do sistema eleitoral, mas Moraes ressaltou que ainda não existem indícios de que o teste feito com biometria seja mais confiável do que o atualmente aplicado. "Nós vamos verificar para ver se vale a pena instituir isso para todas as eleições ou se podemos manter o teste como já é feito", disse.

Julio Valente, secretário de Tecnologia da Informação do TSE, ressaltou que a mudança aplicada é apenas o acionamento da urna com a biometria do eleitor. "Uma vez realizada a biometria, todo o resto do teste será realizado exatamente da mesma forma como era feito antes", afirmou.

LEIA TAMBÉM:

Eleições 2022: em busca da classe C do Sudeste

Veja a agenda dos presidenciáveis nesta quinta-feira, 15 de setembro

Acompanhe tudo sobre:Alexandre de MoraesEleiçõesEleições 2022PolíticaTSE

Mais de Brasil

Câmara aprova projeto que cria cadastro nacional de condenados por violência contra a mulher

Comissão da Câmara aprova projeto de lei para incluir animais domésticos no Censo Demográfico

MPF busca solução para liberar 400 estrangeiros retidos no aeroporto de Guarulhos

Lula avaliará situação de Juscelino após viagem, diz Jaques Wagner

Mais na Exame