Acompanhe:

Temer estuda redução dos preços dos combustíveis e energia

Sem fazer promessas, presidente disse que o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, está debruçado nos estudos

Modo escuro

Continua após a publicidade
Michel Temer: presidente disse que o preço do litro da gasolina pode ser reduzido em todo o país (Adriano Machado/Reuters)

Michel Temer: presidente disse que o preço do litro da gasolina pode ser reduzido em todo o país (Adriano Machado/Reuters)

A
Agência Brasil

Publicado em 7 de maio de 2018 às, 09h33.

Com valor nacional em torno de R$4, o preço do litro da gasolina pode ser reduzido em todo o país, assim como dos demais combustíveis ainda este semestre. A projeção foi feita pelo presidente Michel Temer que afirmou que o governo estuda esta possibilidade e a de diminuir também os valores da conta de energia. Sem fazer promessas, ele disse que o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, está debruçado nos estudos.

"O [ministro] Moreira Franco está empenhado nessa tarefa. Não tenho os resultados, mas se for possível reduzir o preço, o faremos. Sabemos quanto o custo da energia alcança os mais pobres", afirmou o presidente durante entrevista à emissora de televisão SBT, na noite desse domingo (6).

Os combustíveis derivados de petróleo são commodities e têm seus preços atrelados aos mercados internacionais cujas cotações variam diariamente - tanto para cima quanto para baixo. Especialistas afirmam que a variação dos preços nas refinarias e terminais é que incentiva a competição no mercado brasileiro.

Na entrevista, Temer fez uma estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 2018 de 2,75%, e não de 3%. Segundo ele, não haverá "resultado catastrófico". Também afirmou que a pauta econômica no Congresso Nacional poderá evoluir ainda este ano.

Benefícios sociais

Durante a entrevista, o presidente deu nota "excelente" para seu governo, ao citar dois reajustes concedidos ao programa Bolsa Família, um deles anunciados no último dia 30. A partir de julho, o valor do reajuste do benefício será de 5,67%. O pagamento passa de R$ 177,71 para uma quantia estimada de R$ 187,79.

Eleições

A exemplo do que afirmou durante entrevista aos veículos da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), na semana passada, Temer disse que até julho definirá sobre a reeleição. Ele defendeu uma candidatura única de centro. "O ideal dos ideais é que haja uma conjunção da classe política para que haja um candidato de centro."

O presidente elogiou várias pré-candidaturas já definidas e lembrou que sua trajetória de vida, assim como de alguns pré-candidatos, também remete a dificuldades financeiras na infância. No entanto, negou que esta questão deve pesar sobre o voto do eleitorado.

"Pobre eu também fui. Andava seis quilômetros para ir e voltar da escola. Não é essa razão que faz alguém ser ou não presidente", disse Temer, que defendeu a continuidade das medidas adotadas durante sua gestão.

Ataques

Durante a entrevista, Temer se queixou dos "ataques de natureza moral" que se destinam, segundo ele, a desmoralizá-lo na tentativa de atingir o governo e desestabilizar sua gestão.

"Foram tempos de muito sofrimento pessoal. Houve um ataque de natureza moral, e olhe que tive uma vida de muita rigidez profissional. Quando cheguei à Presidência [da República] resolveram me desmoralizar. Tem campanhas montadas com uma crueldade para derrubar o presidente. Eu só resisto, porque, senão resistir, estarei me declarando culpado", afirmou.Operação Skala

O presidente disse ser amigo "há mais de 50 anos" do advogado José Yunes e que João Batista Lima Filho, o Coronel Lima, apenas colaborou em campanhas eleitorais. Ambos são investigados na Operação Skala, da Polícia Federal, que investiga suposto favorecimento de empresas portuárias em troca de propina.

"[Coronel Lima] estabeleceu uma relação de muita fraternidade, muita amizade comigo, nunca neguei", disse o presidente. "Mas não tinha relação funcional, porque ele tinha a atividade empresarial dele. Lamento muito que esteja acontecendo isso com ele", disse.

Questionado sobre o suposto "envelope lacrado grosso" que Yunes teria dito à Polícia Federal (PF) que recebeu do doleiro Lúcio Funaro, em 2014, Temer afirmou jamais ter sido informado sobre os detalhes dessas negociações.

"Ele [Yunes] me contou depois que recebeu o envelope. Esse foi o fato. Mas antes não me contou absolutamente nada. Ele disse que ficou com a secretária dele e depois passou alguém e pegou o envelope", disse o presidente.

Na entrevista, Temer mencionou ainda as investigações que envolvem a filha Maristela. No âmbito da Operação Skala, é investigado se houve uso de recursos ilícitos na obra de reforma da casa da filha do presidente. O presidente afirmou que foi uma reforma "regularmente" paga e esclarecida.

Últimas Notícias

Ver mais
Lula reitera a chanceler russo disposição do Brasil de colaborar para um acordo de paz na Ucrânia
Brasil

Lula reitera a chanceler russo disposição do Brasil de colaborar para um acordo de paz na Ucrânia

Há 12 horas

Mortes de Ianomâmis em 2023 superam 2022 e governo anuncia hospital exclusivo para indígenas
Brasil

Mortes de Ianomâmis em 2023 superam 2022 e governo anuncia hospital exclusivo para indígenas

Há 12 horas

Após tomar posse no STF, Dino diz que vai atuar com isenção e defende harmonia entre os Poderes
Brasil

Após tomar posse no STF, Dino diz que vai atuar com isenção e defende harmonia entre os Poderes

Há 13 horas

PF prende três homens por suspeita de ajudar os dois fugitivos do presídio federal de Mossoró
Brasil

PF prende três homens por suspeita de ajudar os dois fugitivos do presídio federal de Mossoró

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais