Acompanhe:

A secretária de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística do estado de São Paulo, Natália Resende, disse nesta quinta-feira, 14, que a tarifa de água vai ficar mais barata com a privatização da Sabesp e o governo estadual utilizará um teto para que o custo para a população não aumente. A declaração foi dada durante o programa Macro em Pauta, da EXAME. 

"Quando fecharmos o novo contrato com os municípios, que é nossa etapa agora, e fizermos a operação [de desestatização], vai ter uma redução tarifária. O que estabelecemos e colocamos na lei é um limite da tarifa da Sabesp pública. Sempre teremos que ficar abaixo desse limite", diz Resende, que é responsável pelo projeto de desestatização.

A secretária explica ainda que o governo está estudando o comportamento do aumento da tarifa para os próximos anos para conseguir manter o valor sempre abaixo do que é praticado pela Sabesp hoje. Indicadores inflacionários serão avaliados para chegar na equação.

"Todos os anos vamos olhar a quantidade de investimentos que foram feitos, para compensar o valor da tarifa. Vamos usar o dinheiro do fundo mais o lucro do estado [dividendos] para reduzir. Isso acontecerá ao longo do tempo para dar sustentabilidade à empresa", afirma a secretária.

LEIA MAIS: Governo de SP terá entre 15% a 30% do controle da Sabesp após a privatização, diz secretária

Resende lembra também que é a Arsesp (Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de São Paulo) que define a tarifa. A gestão estadual está em discussão com o órgão para definir a regulamentação do setor e as novas regras para revisões tarifárias, em um modelo que promete ser moderno e que conseguirá combinar tarifa mais barata com o incentivo a novos investimentos.

A fala de Resende acontece após Tarcísio afirmar na última segunda-feira, 12, que mesmo com a privatização da Companhia, a tarifa de água paga pela população vai aumentar, porém em um valor menor que sem a desestatização. 

Desde os primeiros meses de governo, até a aprovação da matéria na Alesp, membros da gestão Tarcísio defendiam que a desestatização representaria uma redução da tarifa. Em nota após a aprovação, a administração estadual afirmou que o encaminhando da venda da empresa permitirá a "redução de tarifa e garantir acesso à água e esgoto para 10 milhões de pessoas”.

No texto da desestatização, a promessa de redução da tarifa da água é vinculada ao Fundo de Apoio à Universalização do Saneamento no Estado de São Paulo (FAUSP), que será abastecido com 30% do valor de venda das ações, além dos futuros dividendos da companhia. Contrários à proposta afirmam que a desestatização terá efeito contrário e vai aumentar o preço da conta de água.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Projeto para venda da Sabesp não tem votos para ser aprovado, diz presidente da Câmara de SP
Brasil

Projeto para venda da Sabesp não tem votos para ser aprovado, diz presidente da Câmara de SP

Há 4 dias

Votorantim vê oportunidades em saúde e saneamento – e segue com expansão internacional
Exame IN

Votorantim vê oportunidades em saúde e saneamento – e segue com expansão internacional

Há 6 dias

Com novos contratos da Sabesp e projetos de saneamento, iRadar PPP sobe 2,69% em fevereiro
Economia

Com novos contratos da Sabesp e projetos de saneamento, iRadar PPP sobe 2,69% em fevereiro

Há 6 dias

Sabesp (SBSP3), B3 (B3SA3), Minerva (BEEF3): o que movimenta as empresas na bolsa hoje
seloMercados

Sabesp (SBSP3), B3 (B3SA3), Minerva (BEEF3): o que movimenta as empresas na bolsa hoje

Há 2 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais