Brasil

Novo contrato das cidades com Sabesp terá garantia de atendimento após privatização, diz secretária

Em entrevista à EXAME, Natália Resende garante que municípios deficitários terão garantia de atendimento

Sabesp: Resende reforçou que os contratos serão equalizados após as negociações, com todos terminando no mesmo prazo, em 2060 (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket /Getty Images)

Sabesp: Resende reforçou que os contratos serão equalizados após as negociações, com todos terminando no mesmo prazo, em 2060 (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket /Getty Images)

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 14 de dezembro de 2023 às 15h23.

Em meio as discussões entre os municípios e a Sabesp para renovação do contrato em bloco, a secretária de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística do estado de São Paulo, Natália Resende, disse nesta quinta-feira, 15, que as cidades, inclusive as que causam prejuízo para a empresa, terão garantias legais de prestação de serviço de água e esgoto pela companhia privatizada. A declaração foi dada durante o programa Macro em Pauta, da EXAME. 

LEIA MAIS: Governo de SP terá entre 15% a 30% do controle da Sabesp após a privatização, diz secretária

"Hoje, os deficitários são a grande maioria, temos onze ancoras e o restante fica no subsídio cruzado. Estamos incluindo áreas que a Sabesp não chega e garantindo que elas sejam atendidas por meio do contrato", diz. As cidades também terão a possibilidade de incluir obras e melhores no novo contrato para atingir a universalização da água e esgoto, segundo a secretária.

Resende reforçou que os contratos serão equalizados após as negociações, com todos terminando no mesmo prazo, em 2060. Ele alerta que a falta desse processo pode precarização dos serviços. "Se não fizermos esse processo, esse municípios pequenos teriam que licitar. Quem vai participar de uma licitação de um processo deficitário? São 189 contratos que vão vencer até 2038, 50% dos contratos com a Sabesp", diz.

A renegociação dos contratos é um passo importante para o processo de desestatização. A previsão é que o processo seja concluído até janeiro. Hoje, em caso de privatização, os contratos entre as cidades e a empresa são suspensos, mas existe um acordo para que as Unidades Regionais de Água e Esgoto (URAEs) costurem entendimentos para renovação de contrato em bloco -- com isso, não será necessário negociação individual com cada cidade. 

Após esse acordo, todos os contratos terão o mesmo prazo de vigência, até 2060. Atualmente, os acordos têm durações variadas, e um dos mais próximos a vencer é o de Osasco, que vai até 2029.

yt thumbnail

Tarifa mais barata com privatização

Resende disse também que a tarifa de água vai ficar mais barata com a privatização da Sabesp e o governo estadual utilizará um teto para que o custo para a população não aumente. 

"Quando fecharmos o novo contrato com os municípios, que é nossa etapa agora, e fizermos a operação [de desestatização], vai ter uma redução tarifária. O que estabelecemos e colocamos na lei é um limite da tarifa da Sabesp pública. Sempre teremos que ficar abaixo desse limite", diz a secretária.

Acompanhe tudo sobre:SabespPrivatizaçãoSaneamento

Mais de Brasil

Governo do RS orienta população a buscar atendimento imediato em casos de leptospirose

Eduardo Pimentel lidera disputa pela prefeitura de Curitiba, aponta pesquisa Futura

Após chuvas, Rio Grande do Sul e Santa Catarina podem enfrentar neve, prevê Inmet

Doenças que têm direito ao LOAS/BPC: veja a lista

Mais na Exame