Brasil

STF e big techs fecham acordo contra desinformação; X fica de fora

Assinatura aconteceu na quinta-feira, com Luis Roberto Barroso dizendo que ação é importante para o "enfrentamento ao ódio"

Entrevista coletiva do ministro Roberto Barroso por videoconferência. Brasília-DF, 26/05/2020
Foto: Roberto Jayme/ASCOM/TSE (Roberto Jayme/Ascom/TSE/Reprodução)

Entrevista coletiva do ministro Roberto Barroso por videoconferência. Brasília-DF, 26/05/2020 Foto: Roberto Jayme/ASCOM/TSE (Roberto Jayme/Ascom/TSE/Reprodução)

Publicado em 7 de junho de 2024 às 10h17.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luis Roberto Barroso, assinou um acordo com seis big techs para combater desinformação. O acordo foi assinado por Google, YouTube, Meta, TikTok, Kwai e Microsoft na quinta-feira, 6. O X (antigo Twitter) de Elon Musk e Telegram ficaram de fora. 

As empresas de tecnologia se unem à uma iniciativa criada em 2021 pelo STF . Em uma cerimônia pública, Barroso falou a respeito do que significa a parceria. "Essas negociações não são fáceis, mas acho que chegamos a um bom termo. E acho muito importante que as plataformas digitais precisam se tornar parceiras no enfrentamento à desinformação, no enfrentamento ao ódio, no interesse da sociedade e, penso, que no seu próprio interesse".

Participantes do acordo

Ao longo dos três anos desde a criação da iniciativa de combate à desinformação, 110 instituições aderiram ao acordo, incluindo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Ele prevê iniciativas de promoção de "ações educativas e de conscientização para enfrentar os efeitos negativos provocados pela desinformação". O documento estabelece também que a colocação do tratado em prática vai ocorrer "de acordo com o interesse e/ou a área de atuação institucional do parceiro e no limite dos recursos e capacidades que o parceiro disponibilizar

Cento e dez instituições aderiram ao acordo, inclusive a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). O X (antigo Twitter) não assinou o acordo e não enviou representante.

Acompanhe tudo sobre:Supremo Tribunal Federal (STF)Luís Roberto Barrosoelon-muskFake newsMetaGoogleMicrosoft

Mais de Brasil

Fim da emissão talão de multas faz Detran-SP economizar R$ 6 milhões em um ano

Rodoviária de Porto Alegre reabre depois de um mês sem funcionar

Comissão da Câmara aprova PL que inclui plano de saúde pet como benefício da CLT

Paulo Gonet sugere pagar adicional para procuradores de cidades com menos de 30 mil habitantes

Mais na Exame