Brasil

Secretário vai avaliar atendimento a usuários da Supervia

Secretário estadual de Transporte do RJ disse que se reunirá com a Supervia para avaliar atendimento ao usuário em caso de problemas na linha férrea

Trem da Supervia, no Rio: "hoje, a Supervia não atendeu bem aos seus clientes", disse secretário (Missionary/Wikimedia Commons)

Trem da Supervia, no Rio: "hoje, a Supervia não atendeu bem aos seus clientes", disse secretário (Missionary/Wikimedia Commons)

DR

Da Redação

Publicado em 12 de janeiro de 2015 às 16h42.

Última atualização em 30 de janeiro de 2020 às 11h28.

Rio de Janeiro - O secretário estadual de Transporte do Rio de Janeiro, Carlos Roberto Osório, disse hoje (12) que vai se reunir com a Supervia por volta das 18h para avaliar os protocolos de atendimento ao usuário em caso de problemas na linha férrea.

Segundo o secretário, pelo que ele acompanhou e conversou com a Agência Reguladora dos Transportes (Agetransp), o atendimento não foi adequado.

"Hoje, a Supervia não atendeu bem aos seus clientes e isso não pode acontecer, nós, como poder concedente, vamos trabalhar para que isso mude. Hoje não foi um bom dia para a Supervia".

Segundo Osório, a avaliação dos protocolos de atendimento pode resultar em uma revisão desses procedimentos, para que os funcionários e as estações estejam mais bem preparadas para informar os passageiros sobre os problemas e orientá-los.

Na manhã de hoje, passageiros tiveram que desembarcar de um trem na zona oeste da capital e andar pelos trilhos devido a uma falha no equipamento que liga a composição à rede elétrica que a movimenta.

Técnicos da Supervia foram enviados para o local para a realização de reparos.

Acompanhe tudo sobre:acidentes-de-tremRio de JaneiroSuperViaTransportesTrens

Mais de Brasil

Alagoas assina convênios para atrair R$ 155 milhões em investimentos em troca de incentivos fiscais

Lula critica falta de acordo entre Zelensky e Putin: 'Estão gostando da guerra'

STF dá 5 dias para Tarcísio e Alesp explicarem reembolso de procuradores por 'excesso de trabalho'

Remessas de até US$ 50 batem recorde e chegam a 16,6 milhões antes de volta da taxação

Mais na Exame