Brasil

Renato Duque fala na CPI da Petrobras

Duque foi preso na segunda-feira (16) pela Polícia Federal, durante a deflagração da 10ª Fase da Operação Lava Jato, no Rio de Janeiro


	O relator da CPI da Petrobras Luiz Sérgio (esq.) e Renato Duque (dir.) na CPI da Petrobras
 (Reprodução)

O relator da CPI da Petrobras Luiz Sérgio (esq.) e Renato Duque (dir.) na CPI da Petrobras (Reprodução)

DR

Da Redação

Publicado em 19 de março de 2015 às 11h27.

Brasília - O ex-diretor de Engenharia e Serviços da Petrobras, Renato Duque começou o seu depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, na manhã de hoje (19). 

Duque foi preso na segunda-feira (16) pela Polícia Federal, durante a deflagração da 10ª Fase da Operação Lava Jato, no Rio de Janeiro, em um condomínio na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade, enquanto tomava café com a família. Na casa do ex-diretor da Petrobras foram apreendidas mais de cem obras de arte, além de relógios e canetas. Após a prisão, ele foi transferido para Curitiba. 

Com a prisão, houve dúvidas a respeito do depoimento de Duque na comissão. Um ato da Mesa diretora da Câmara de 2006 proíbe depoimentos de presos nas dependências da Casa. Em razão disso, a CPI chegou a solicitar ao juiz Sérgio Moro ouvir Renato Duque nas dependências da Polícia Federal ou do Ministério Público Federal, em Brasília.

Moro chegou a acatar o pedido da CPI, marcando o depoimento de Duque para o auditório da Superintendência da Polícia Federal, em Brasília.

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), decidiu suspender o ato para permitir que o ex-diretor de Serviços da Petrobras preste depoimento na CPI, nas dependências da Casa. O avião da Polícia Federal que trouxe o ex-diretor de serviços da Petrobras chegou a Brasília por volta de 09h40. 

Na segunda-feira, o Ministério Público Federal denunciou o ex-diretor Renato Duque e mais 26 pessoas por lavagem de dinheiro, corrupção e formação de quadrilha.

Ao decretar a prisão preventiva de Duque, o juiz Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato na primeira instância, afirmou que, mesmo após a deflagração da operação, o ex-diretor continuou cometendo crime de lavagem de dinheiro, ocultando os valores oriundos de propina em contas secretas no exterior, por meio de empresas offshore.

Ainda não sabe se Duque vai responder as perguntas dos Deputaods. No despacho em que autorizou a ida de Duque à CPI, Moro também disse que Duque poderia garantir o seu direito de ficar em silêncio.

Acompanhe tudo sobre:Capitalização da PetrobrasEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEstatais brasileirasGás e combustíveisIndústria do petróleoOperação Lava JatoPetrobrasPetróleoPolítica no Brasil

Mais de Brasil

Em Porto Alegre, Defesa Civil alerta para risco de novos temporais com ‘ventos intensos’ e granizo

Ministério da Saúde amplia vacinação contra dengue; veja nova faixa etária

Reviravolta em julgamento sobre 'sobras eleitorais' pode anular eleição de sete deputados; entenda

Privatização da Sabesp será concluída em 22 de julho; veja os mais cotados para vencer a disputa

Mais na Exame