A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Exclusivo: Privatização do porto de Santos deve movimentar R$ 16 bilhões

Leilão está previsto para o primeiro semestre do ano que vem; o aprofundamento do calado e a melhoria dos acessos terrestres são algumas das melhorias previstas

Prevista para o primeiro semestre do ano que vem, a privatização do porto de Santos, considerado o maior da América Latina, deve gerar 16 bilhões de reais em investimentos, segundo o Ministério da Infraestrutura. Os estudos de modelagem econômica estão praticamente finalizados e a consulta pública deve acontecer até novembro. "Todo o processo já avançou bastante", diz Diogo Piloni, secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários do Ministério da Infraestrutura. Com isso, foi possível fazer uma estimativa mais precisa sobre o potencial do leilão.

Há uma série de melhorias previstas, como o aprimoramento dos acessos terrestres ao porto e o aprofundamento do calado. Também está em pauta a construção de um túnel submerso entre Santos e o Guarujá.

Com a ascensão da agenda ESG no mundo — e um olhar cada vez mais atento dos investidores internacionais para compromissos com o meio ambiente — o porto de Santos, administrado pela estatal Santos Port Authority (SPA), realizou recentemente uma parceria com a Rede Brasil do Pacto Global, da ONU, para colocar em prática iniciativas referentes à descarbonização. Outras medidas a ser adotadas são a compilação de um inventário de emissão de gases de efeito estufa e a implantação de tecnologias voltadas para a despoluição do mar.

O porto de Santos fechou o semestre com resultados positivos. No último trimestre, o aumento do lucro chegou a 126% em relação ao mesmo período do ano passado, alcançando 99 milhões de reais. O faturamento superou a marca de 1 bilhão de reais. Pela primeira vez deverão ser distribuídos dividendos ao governo federal. Segundo a SPA, a nova fase da companhia se deve a uma reestruturação de gestão, ao aumento da movimentação de cargas e uma política de cortes de custos. Em 2020, o lucrou chegou a 202,5 milhões de reais, 132% mais em relação a 2019. "A intenção era justamente preparar o porto para a privatização", diz Piloni.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também