Brasil

Presidente do Peru depõe por escândalo Rolexgate

O depoimento ocorre depois que a polícia realizou buscas em sua casa e no gabinete presidencial em 30 de março em busca da suposta coleção, composta de pelo menos três relógios de luxo da marca Rolex

Dina Boluarte, presidente do Peru  (Filipe Bispo/Getty Images)

Dina Boluarte, presidente do Peru (Filipe Bispo/Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 5 de abril de 2024 às 12h37.

Última atualização em 5 de abril de 2024 às 13h05.

A presidente do Peru, Dina Boluarte, comparece, pela primeira vez, nesta sexta-feira, 5, diante dos promotores por causa do Rolexgate, um caso em que é investigada pelo crime de enriquecimento ilícito pela suposta posse de relógios de luxo e joias não declaradas, um escândalo que abala o seu já frágil governo.

Os promotores pediram à mandatária peruana, caso ela realmente os possua, os objetos de valor não declarados como parte de seu patrimônio quando assumiu o cargo e que mostre os recibos de compra ou explique sua origem.

Relógios Rolex

O depoimento ocorre depois que a polícia realizou buscas em sua casa e no gabinete presidencial em 30 de março em busca da suposta coleção, composta por pelo menos três relógios de luxo da marca Rolex que a imprensa lhe atribui através de diversas fotografias publicadas nos últimos dias.

Não se sabe se a presidente irá à sede do Ministério Público, já que pode receber os promotores em seu gabinete, segundo uma prerrogativa que ampara os presidentes.

O governo tem esperança de que o caso seja esclarecido com a versão contada por Boluarte para acabar com um escândalo que já provocou dois pedidos de impeachment da oposição parlamentar de esquerda, embora eles tenham sido rejeitados pela maioria de direita do Congresso na quinta-feira.

"Eu presumo que, depois dessa explicação, o Ministério Público vai encerrar essa investigação", disse o chefe do gabinete ministerial, Gustavo Adrianzén, na quinta-feira.

Acompanhe tudo sobre:PeruRolexDina Boluarte

Mais de Brasil

Secretário de Turismo diz que 53% das atrações públicas do RS foram danificadas

Prefeito de Canoas diz que reconstrução de prédios públicos demanda mais de R$ 200 milhões

OPINIÃO: Nunca esqueceremos

Enchentes no RS: sobe para 155 o número de mortos; 94 pessoas seguem desaparecidas

Mais na Exame