Acompanhe:

Plano da prefeitura de SP prevê centro de "pós-internação" para usuários de drogas da cracolândia

De acordo com documento, dependentes em tratamento serão encaminhados para um novo centro de atendimento depois de serem internados no Hospital da Cantareira

Modo escuro

Continua após a publicidade
O programa da prefeitura para retirar os usuários das ruas e do vício é o Redenção (Jorge Araújo/Fotos Públicas)

O programa da prefeitura para retirar os usuários das ruas e do vício é o Redenção (Jorge Araújo/Fotos Públicas)

A
Agência O Globo

Publicado em 8 de setembro de 2022 às, 19h41.

Última atualização em 8 de setembro de 2022 às, 19h48.

Diante de um aumento na procura, a prefeitura de São Paulo elaborou um novo plano de internação de usuários de drogas que frequentam a cracolândia, no Centro de São Paulo. A gestão do prefeito Ricardo Nunes (MDB) acrescentou uma nova etapa ao tratamento já oferecido, para onde o paciente que sai da internação será encaminhado, chamado de "Centro de Cuidados Prolongados". O planejamento mantém as três modalidades de internação já em vigor: voluntária, involuntária e compulsória.

Segundo o secretário-executivo de Projetos Estratégicos da prefeitura, Alexis Vargas, a medida tenta amenizar a principal crítica ao programa da prefeitura que trata os dependentes: a falta de um local que acolha os usuários depois da internação.

"Estamos ampliando as formas de atendimento e qualificação da internação e da pós-internação. Depois que sair da crise, esse paciente terá para onde ir. É mais uma possibilidade oferecida para que ele não volte para a rua, para a prática na cracolândia. Estamos tentando recuperar sua autonomia e vínculo familiar", afirmou Vargas.

Vargas explica que a preferência "sempre será pela internação voluntária". Mas usuários que chegarem em estado de agitação e com risco à vida deles e de outros serão encaminhados para internação involuntária e, por fim, compulsória. O plano, feito pela Secretaria de Saúde em parceria com a Associação Filantrópica Nova Esperança, foi divulgado pela Folha de S.Paulo e confirmado pelo O Globo.

Ao contrário da internação voluntária, a involuntária acontece quando um médico, a pedido de terceiros, em geral da família, entende que o dependente precisa ser hospitalizado mesmo sem seu consentimento. Já a internação compulsória, mais rara, é quando usuário não tem um representante legal e, neste caso, cabe ao médico acionar o Ministério Público para um juiz decidir se ele deve ser internado.

O programa da prefeitura para retirar os usuários das ruas e do vício é o Redenção. Até então, ele tinha três fases: abordagem na rua; acolhimento com serviço médico e quartos temporários em duas unidades, a cerca de 3 km do fluxo, com 400 vagas; e três hotéis a pelo menos 10 km da cracolândia, com 150 leitos, para usuários morarem por, no máximo, dois anos.

Agora, o plano prevê a internação no Hospital Geral Cantareira, na zona norte da cidade, que disponibilizou 80 vagas para o programa com "estrutura para impedir fugas". Nessa fase, o paciente ficará de 15 dias a, no máximo, 90 dias. Prevê ainda o pós-internação no Centro de Cuidados Prolongados, com 40 vagas, a ser inaugurado na Barra Funda. Segundo as autoridades, o serviço terá atendimento clínico e terapêutico durante 24 horas, sete dias na semana, e contará com atividades como meditação, recreação e programação esportiva.

"O hospital é geral, você ocupa o centro hospitalar com todos os serviços clínicos e cirúrgicos. É para casos mais graves. No centro de cuidados, haverá mais atividades terapêuticas, com oficinas e atendimentos. Desocupa o leito e dá atendimento mais adequado à fase em que a pessoa está", diz Vargas.

Alta demanda

Vargas defende que a criação do novo plano se dá em meio a uma alta na procura por internação. Segundo a prefeitura, o encaminhamento de usuários para atendimento na segunda etapa no programa aumentou quase cinco vezes entre janeiro e julho. Vargas diz que, depois das operações policiais de dispersão de usuários da cracolândia, ficou mais fácil oferecer tratamento.

"Agora, sem a presença tão forte do crime organizado, as pessoas procuram mais e aderem mais à nossa abordagem", opina.

LEIA TAMBÉM:

Qual a previsão do clima para o feriado de 7 de Setembro em SP?

Uso de máscara deixará de ser obrigatório em transporte público de São Paulo

Últimas Notícias

Ver mais
Bolsonaro defende anistia para presos de 8 de janeiro e minimiza acusações de golpe
Brasil

Bolsonaro defende anistia para presos de 8 de janeiro e minimiza acusações de golpe

Há 3 horas

Apoiadores de Bolsonaro se reúnem em ato na Av. Paulista
Brasil

Apoiadores de Bolsonaro se reúnem em ato na Av. Paulista

Há 5 horas

Antes de ato na Paulista, petistas lembram 8/1 e dizem que Bolsonaro 'cometeu muitos crimes'
Brasil

Antes de ato na Paulista, petistas lembram 8/1 e dizem que Bolsonaro 'cometeu muitos crimes'

Há 5 horas

Apoiadores de Bolsonaro fazem ato com pedido de impeachment de Lula e bandeira de Israel
Brasil

Apoiadores de Bolsonaro fazem ato com pedido de impeachment de Lula e bandeira de Israel

Há 5 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais