Brasil

PF pede quebra de sigilo fiscal e bancário de Jair Bolsonaro

Investigação apura suposto esquema de desvio de joias e outros itens de luxo para o patrimônio privado do antigo mandatário

Bolsonaro: Ex-presidente foi declarado inelegível por oito anos pelo TSE no mês passado (Alan Santos/PR/Flickr)

Bolsonaro: Ex-presidente foi declarado inelegível por oito anos pelo TSE no mês passado (Alan Santos/PR/Flickr)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 11 de agosto de 2023 às 20h40.

A Polícia Federal pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a quebra de sigilo fiscal e bancário de Jair Bolsonaro na investigação que apura um suposto esquema de desvio de joias e outros itens de luxo para o patrimônio privado do ex-presidente. A investigação também solicitou que ele seja ouvido no inquérito.

Nesta sexta-feira, 11, os agentes da corporação cumpriram mandados de busca e apreensão contra o general Mauro Cesar Lourena Cid, pai do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens; o advogado Frederick Wassef, que atua na defesa do ex-presidente; e Osmar Crivelatti, que ainda integra a equipe de assessores do presidente.

Fique por dentro das últimas notícias no Telegram da Exame. Inscreva-se gratuitamente

De acordo com a PF, a ofensiva para incorporar bens públicos ao acervo privado driblou inclusive o setor do Planalto responsável por catalogar os presentes dados ao presidente da República.

Os policiais apuram a existência de uma organização criminosa no entorno de Jair Bolsonaro. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, que autorizou a operação, afirmou na decisão que há indícios de que o plano ocorreu por “determinação” de Bolsonaro, que não foi alvo da ação policial e nega irregularidades.

Os investigadores agora vão se debruçar sobre os detalhes da participação do ex-presidente no esquema, que incluiu uma viagem às pressas de aliados para os Estados Unidos para recomprar presentes que, após terem sido entregues a Bolsonaro por países árabes, foram vendidos a joalherias.

Um relógio Patek Philippe, entregue a Bolsonaro em 2021 pelo regime do Bahrein, não aparece nos registros oficiais, segundo a PF. Na chefia do Executivo à época, ele recebeu de Cid, em 16 de novembro daquele ano, via WhatsApp, o certificado de autenticidade do modelo, avaliado em US$ 51 mil (cerca de R$ 250 mil, na cotação atual).

A investigação colheu no celular do ex-ajudante de ordens documentos que comprovam a venda da peça, em 13 de junho de 2022, para uma loja na Pensilvânia. Cid recebeu US$ 68 mil.

Segundo a PF, que investiga a suposta transação envolvendo esse relógio, além do Rolex que já era conhecido, “não foi identificado nenhum registro do relógio Patek Philippe (no acervo presidencial), fato que indica a possibilidade de o referido bem sequer ter passado pelo então Gabinete Adjunto de Documentação Histórica (...), sendo desviado diretamente para a posse do ex-presidente Jair Bolsonaro”.

Acompanhe tudo sobre:Jair BolsonaroPolícia Federal

Mais de Brasil

Cidade de São Paulo está em alerta para alagamentos nesta segunda-feira

Latam faz primeiro voo comercial à Base Aérea de Canoas, no RS

Praias particulares? CCJ do Senado discute proposta que pode "privatizar" áreas da marinha

Semana começa com chuva e frio em SP; veja a previsão do tempo para os próximos dias

Mais na Exame