Brasil
Acompanhe:

Pesquisa Ipec na Bahia: Jerônimo tem 51% dos votos válidos; ACM Neto, 49%

Os candidatos estão tecnicamente empatados dentro da margem de erro da pesquisa, de dois pontos percentuais para mais ou para menos

 (divulgalção/Divulgação)

(divulgalção/Divulgação)

D
Da Redação

29 de outubro de 2022, 20h12

Na disputa pelo governo da Bahia, Jerônimo Rodrigues (PT) tem 51% dos votos válidos, e ACM Neto (União Brasil), 49%, segundo pesquisa Ipec, encomendada pela TV Bahia e divulgada neste sábado, 29. Os candidatos estão tecnicamente empatados dentro da margem de erro da pesquisa, de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Para os votos válidos, são desconsiderados brancos, nulos e as pessoas que dizem que não sabem. É desta forma que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) faz a contagem oficial da eleição.

Para a pesquisa, foram ouvidas 2.000 pessoas entre os dias 27 e 29 de outubro. A taxa de confiança é de 95%. A sondagem foi registrada no TSE com o número BR-086052022 e no TRE com o número BA-02006/2022.

Votos válidos

  • Jerônimo (PT): 51%
  • ACM Neto (União Brasil): 49%

Em uma pergunta estimulada, com os nomes apresentados em formato de lista aos entrevistados, Jerônimo aparece com 48%, e ACM Neto tem 47%. As pessoas que não sabem são 3%, brancos e nulos somam 2%.

Estimulada/totais

  • Jerônimo (PT): 48%
  • ACM Neto (União Brasil): 47%
  • Branco e nulo: 2%
  • Não sabe: 3%

Quando será o 2º turno das Eleições 2022?

Para os cargos de presidente e de governador, quando nenhum dos candidatos atinge 50% mais um dos votos válidos, a eleição vai para o segundo turno. Em 2022, a segunda etapa de votação é no dia 30 de outubro. Diferentemente de outros anos, para esta eleição, o fuso horário para a votação é um só em todo o país, o de Brasília, das 8h às 17h.

Quem não votou no 1º turno, pode votar no 2º?

O eleitor que não votou no primeiro turno das eleições de 2022 pode e deve votar no segundo turno. Segundo o TSE, cada turno é tratado como uma eleição independente pela Justiça Eleitoral. Isso significa que uma pessoa que não votou no primeiro turno não é proibida de ir às urnas no segundo, desde que seu título eleitoral esteja regular.

Quais cargos serão votados no 2º turno das eleições 2022?

O segundo turno é somente para cargos de governador e presidente, caso nenhum candidato atinja 50% mais um dos votos válidos. Para estado sem segundo turno, há votação somente para presidente.

Nas eleições de 2022, doze estados vão ter a definição em uma segunda etapa: São Paulo, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Alagoas, Amazonas, Bahia, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Santa Catarina, e Rondônia.

Qual a ordem de votação?

  • Governador: dois dígitos
  • Presidente: dois dígitos

Não foi votar? Como justificar ausência do voto

Quem não pode justificar a ausência no dia do primeiro turno da eleição, tem o prazo de até 60 dias após cada turno para regularizar a situação eleitoral sem o pagamento da multa. Os canais para realizar o procedimento online são o e-Título e o Sistema Justifica. Nesse caso, além de preencher o requerimento, é necessário anexar documentos que comprovem o motivo alegado, pois a justificativa não é automática e poderá ser ou não concedida pelo juiz eleitoral.

O que explica a diferença entre pesquisa e resultado das eleições?

Indecisos e migração de eleitores. Essas duas variáveis são as hipóteses apontadas por institutos de pesquisas eleitorais para explicar a diferença entre o que as sondagens indicavam e o resultado das urnas no primeiro turno das eleições 2022.

Há um ainda um terceiro elemento, menos determinante, mas também com algum grau de impacto: a falta de um Censo atualizado. A metodologia das pesquisas eleitorais leva em conta os dados oficiais para retratar, proporcionalmente, a cara do Brasil.

O último Censo demográfico foi realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2010. Em 2020 havia a previsão de uma nova rodada de entrevistas para entender o perfil dos brasileiros, mas a realização da pesquisa foi suspensa por conta da pandemia de covid-19. Em 2021, cortes orçamentários suspenderam a realização, mas o Supremo Tribunal Federal obrigou o governo a fazer o Censo, cuja coleta começou neste ano.

LEIA TAMBÉM: