Brasil

Padre Kelmon é desligado da Igreja Ortodoxa do Peru no Brasil

O documento foi assinado por Mor Francisco Ángel Ernesto Morán Vidal, arcebisco metropolitano no Peru, e pelo Mons Miguel, de nome civil Phellype Thiago Martins, vigário episcopal do Brasil

Padre Kelmon: chegou na disputa presidencial como vice de Roberto Jefferson e assumiu a cabeça de chapa (Instagram/Reprodução)

Padre Kelmon: chegou na disputa presidencial como vice de Roberto Jefferson e assumiu a cabeça de chapa (Instagram/Reprodução)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 20 de dezembro de 2022 às 17h54.

Última atualização em 20 de dezembro de 2022 às 18h22.

O ex-candidato do PTB ao Planalto, Kelmon Luís Souza conhecido popularmente como Padre Kelmon  foi desligado da Igreja Ortodoxa do Peru no Brasil na última sexta-feira, 16. Em nota, a instituição afirmou que Kelmon está proibido de ministrar missas em nome da igreja.

O documento foi assinado por Mor Francisco Ángel Ernesto Morán Vidal, arcebisco metropolitano no Peru, e pelo Mons Miguel, de nome civil Phellype Thiago Martins, vigário episcopal do Brasil.

"Decidimos cancelar a Provisão 0025/21 conferida ao Pe. Kelmon Luis da Silva. Também informamos que decidimos desencardinar do clero o Pe. Kelmon Luis da Silva e também o Pe. Lucas Soares Chagas. Dessa forma, os mesmos ficam proibidos de ministrar os sacramentos e de falar em nome da Igreja Ortodoxa do Peru-Tradição canônica Sírio Ortodoxa Malankara Indiana", disse a nota da instituição.

Em setembro de 2022, em meio à disputa eleitoral, a Igreja Ortodoxa do Peru no Brasil publicou uma carta aberta em sua página no Facebook em que reconheceu Padre Kelmon como "pároco interino" pela organização.

"O Reverendo Padre Kelmon Luis Souza é reconhecido por seu inquestionável trabalho pastoral e social em benefício da comunidade, razão pela qual é sempre convidado para diversas atividades e eventos em prol do desenvolvimento do povo brasileiro", dizia o documento.

Sobre o desligamento, em nome de Padre Kelmon, o Padre João Damasceno afirmou que o grupo do sacerdote não foi desligado pela Igreja Ortodoxa do Peru no Brasil. A nota defende que a saída do trio se deu por vontade própria dos indivíduos, sem relação com vontades da instituição religiosa.

"É importante salientar que não fomos desligados por decisão dos clérigos da referida igreja, mas nós que o pedimos e assim foi concedida, somos pois muito gratos pelo tempo que passamos na Igreja do Peru e desejamos bênçãos celestiais para todas as suas autoridades eclesiásticas", disse.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Padre Kelmon chegou na disputa presidencial como vice de Roberto Jefferson e assumiu a cabeça de chapa após Jefferson ter sua candidatura impugnada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Kelmon conta que, aos 19 anos recebeu um chamado de Deus e começou a se dedicar ao serviço à juventude. Dois anos depois, se tornou seminarista da igreja católica, aderindo posteriormente à igreja ortodoxa.

Durante os debates eleitorais, ficou conhecido por suas dobradinhas feitas com o presidente Jair Bolsonaro (PL) para atacar a esquerda.

LEIA TAMBÉM: 

Acompanhe tudo sobre:Jair BolsonaroPolíticosPTB — Partido Trabalhista BrasileiroReligião

Mais de Brasil

Deputada Luiza Erundina tem alta de hospital em Brasília após três dias internada

Lula, Haddad, Mercadante e mais: veja repercussão da morte de Maria da Conceição Tavares

São Paulo pode ter dia mais quente de junho neste fim de semana

Mais na Exame