Brasil

Ministério dos Transportes assina aditivo de R$ 1,17 bi para ferrovia da Malha Paulista

Serão investidos aproximadamente R$ 600 milhões na malha, e R$ 670 milhões no Plano Nacional de Ferrovias

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 5 de junho de 2024 às 17h57.

Última atualização em 5 de junho de 2024 às 18h45.

O Ministério dos Transportes assinou nesta quarta-feira, 5, um termo aditivo para a otimização do contrato de concessão da Malha Paulista, sob a gestão da Rumo S/A. A necessidade de reequilíbrio econômico-financeiro é de cerca de R$ 1,17 bilhão e já havia sido oficializada pela empresa na semana passada.

Do total, serão investidos aproximadamente R$ 600 milhões na própria Malha Paulista, e R$ 670 milhões no Plano Nacional de Ferrovias em malhas de interesse da administração pública.

A ferrovia de 1.989 quilômetros cruza o estado de São Paulo. Além da capital, abrange municípios como Pradópolis, Bauru e Samaritá. O aditivo ao contrato da Malha Paulista representa o primeiro processo de "solução consensual" apresentado na Secretaria de Consenso do Tribunal de Contas da União, em 2023.

Segundo o Ministério, a revisão aumenta a "segurança e a eficiência" das operações na Malha Paulista, com previsão de ampliação de investimentos.

"A Rumo está recebendo um contrato mais equilibrado, exequível, com ganhos de eficiência, o que vai ajudar muito no desenvolvimento nacional", declarou o ministro dos Transportes, Renan Filho, durante a assinatura.

Acompanhe tudo sobre:Ferroviassao-pauloMinistério dos Transportes

Mais de Brasil

Governo sanciona lei que prevê plano de combate à violência contra mulher

PL do aborto: Conselho Federal da OAB aprova parecer que avalia texto como inconstitucional

Em SP, operação da Polícia Civil despeja projeto social na Cracolândia

PF recupera gravuras raras roubadas há 16 anos da Biblioteca Mário de Andrade, em SP

Mais na Exame